quinta-feira, 10 de abril de 2014

ALAGOAS, ESTRELA RADIOSA!




Não sei se todos se atinam ou interessam por assuntos político-sociais, organizacionais, em nossa Capital, mas resolvi debruçar-me sobre algumas ponderações.

Uma constatação.
O crime começa a ser considerado um bom negócio. O ditado "o crime não compensa" já está atrofiado pelas evidências.
Nossos jovens roubam e traficam: têm "ócio" lucrativo: motocas, roupas de marca, correntes de prata...
Nossos deputados estaduais roubaram 300 milhões. Repito: trezentos milhões de reais! O que lhes aconteceu? Nada!
Como pode cobrar "saúde social" este Estado sem Ética?
Cada um por si. Grades, janelas, revólveres, facões, cocós... Tornamo-nos inimigos de nós mesmos. O crime não tem face agora, qualquer um, "bem vestido" ou não é ou pode ser bandido.
Caminhamos velozmente a "desumanização": tornamo-nos justiceiros, malvados, perversos, sociopatas, xenofóbicos... A vida alheia só tem valor mídia. Se a mídia der valor, aparecem logo os "caminhantes pela paz" com suas caminhadas pela paz.
Nietsche disse que nós matamos Deus. Agora podemos dizer que matamos a madrasta que colocamos no lugar de Deus, o Estado.
O Estado morreu!
Três poderes em harmonia qual nada! Agora é cada um por si!
O Executivo ou compra o Legislativo ou terá seus rendimentos apreciados por CPI's com uma única intenção: matar a reputação de alguém, em complô com a mídia que pertence a algum político, decerto.
O poder Judiciário vive às voltas com as ingerências e indicações do poder Executivo, que o manobra.
A mídia que contrariar ou denunciar os males do Estado perderá os investimentos financeiros - dinheiro do povo usado para comprar propagandas e empresários.
O Ministério Público de Alagoas resolveu investigar bandidos com cargos políticos. Os deputados cortaram o dinheiro do MP, um  verdadeiro "calaboca".
Temos ainda o grito das ruas clamando pela "Ordem" que existe hoje somente em nossa bandeira.
O que temos hoje foi ou é casual? Foi por acaso ou coincidência? Não. Pior que não.
Há pessoas com plano único de poder - eles no poder, óbvio. O Estado morto, o cidadão alienado, a incriminação da religião cristã, a separação do povo (por raça, cor, status, localização, religião, opção sexual...). Bem nos ensinou o bom Mestre Jesus: reino contra si ou casa dividida deixam de existir (cf. Marcos 3,24-25).
Pois, assim, caminhamos para o "Estado Novo", uma "nova ordem" onde deus e homem são uma mesma pessoa, o governante soberano de nossos cuidados, desejos e gostos, ainda que dê "sangue na canela" - dos discordantes do sistema que se avizinha.

Voltando no tempo.
Quando ingressei no curso de Psicologia na Ufal em 1997, cuidava em me aprofundar nas disciplinas de humanas do currículo então. Conheci a Sociologia. Uma professora declarada fã de Marx e anti-católica me fez ler mais os temas, porque ela amava me acordar em sua aula para debater e me ouvir discordar de seu ideário.
Naquele tempo, já havia delineado um raciocínio: quando a "Esquerda" chegar ao poder, trará o caos; surgirá o "líder" para botar ordem, teremos o ditador... O ciclo da História moderna me ajudou a chegar a tais conclusões.

+ + +

Eudes Inacio, sJpVM
servo de Jesus pela Virgem Maria.