segunda-feira, 25 de julho de 2011

POEMA DA TARDE





"E eis que ouviram o barulho (dos passos) do Senhor Deus que passeava no jardim, à hora da brisa da tarde. O homem e sua mulher esconderam-se da face do Senhor Deus, no meio das árvores do jardim.
Mas o Senhor Deus chamou o homem, e disse-lhe: “Onde estás?”"
(Gn 3,8-9)


"Então todos o abandonaram e fugiram". (Mc 14,50)


Ó tarde sem fim...
Tanto vos amei.
Convosco estive, vos alimentei.
Meus amigos... meus amigos!
Onde estaríeis vós?
Fugistes?
Vos escondestes?
Tanto vos amei!
Acaso não vos dei tudo a conhecer?
Então, que fostes buscar no centro do Jardim?
Procurei-vos, mas
Vós vos escondestes nas árvores?
Por quê?
Acaso, Natanael,
Não estavas debaixo de uma quando o chamei?
André, João, vós me procuráveis
por volta décima hora?
atardinha!...
Pedro! Ah, Pedro!!!
Negaste me conhecer...
Filipe, há quanto tempo contigo e não me conhecíeis...
Tomé... ah, Tomé,
só me crerias se me tocasses;
Deixei-Me tocar.
Amigos.
Meus amigos,
Vos espero na Galileia!

+ + +
Eudes Inacio, sJpVM.

Nenhum comentário: