sábado, 15 de janeiro de 2011

VIDA ECLESIAL: POR QUE DEVO IR À IGREJA?

Tantas são as pessoas que só costumam ir ao templo só nos domingos - quando vão! E se queixam de não gostar de "viver na Igreja" e ainda criticam os que o faz.

Há uns que insinuam que os que "vivem na Igreja" são piores que os que lá não "andam" (nem pisam, sequer).

Nossa comunidade eclesial, a nossa Igreja Matriz ou capelinha mais próxima são nossa comunidade eclesial. E, como em qualquer casa, há os que se dedicam em ajudar a mãe na lida da casa, como também há os que não se importam com nada: só querem ver tudo pronto, arrumado e posto - sem querer nem contribuir com o dízimo - mas reclamam muito.

Há os que vão à Missa dominical de vez em quando e reclamam quando se pergunta a estes se podem contribuir com algum valor no Batismo ou casamentos.

Por estes e outros motivos, Caríssimos, exponho umas ideias, sugestões do porquê, da importância da vida eclesial ativa.

Aconselho a ideia de Dom Eurico dos Santos Veloso, Arcebispo emérito de Juiz de Fora-MG.

Antes de tudo, empenho na formação das Pequenas Comunidades Eclesiais (PCE). Porque é preciso mudar certos esquemas mentais e não querer “remendo novo para rasgado em tecido velho”. Nossos conceitos devem ser atualizados e nossos preconceitos abolidos.


"A VIDA ECLESIAL ACONTECE NA COMUNIDADE"

Para isso, três itens podem ajudar na reflexão:

1 - Dados da Fé (a mística)


“Há mais felicidade em dar do que em receber!” (At 20,35)

- a comunidade é a obra prima de Jesus Cristo;

- vivemos num tempo que exige respostas positivas e não apenas reclamações, devemos assumir a nossa época;

- pelo Plano de Deus nós já somos família e comunidade;

- a recompensa da gratuidade é a alegria: nascemos para amar, sermos amados e fazer os outros felizes;

- a comunidade é o lugar de defesa da pessoa e da vida;

- a comunidade é o lugar do exercício da caridade e da convivência fraterna;

- a base (raiz) da comunidade é a vontade salvífica de Cristo, tendo como fonte a Santíssima Trindade;

- na caridade criativa se revela a alegria do ser cristão;

- a vocação e a missão do ser humano é viver em comunidade a dinâmica do Mistério Pascal.


2 - Meios para a comunidade crescer:

“... se tiverdes amor uns para com os outros, reconhecerão que sois meus discípulos!” (Jo 13,35)

- resgatar nas comunidades o valor da Palavra de Deus e a sua leitura orante;

- quebrar determinados guetos que impedem os serviços a Igreja; que não haja donos da comunidade;

- motivar a gratuidade em relação a Deus, superando a mentalidade utilitarista e imediatista no campo da religião;

- fortalecer o serviço da acolhida e da visitação;

- aproximar mais os nossos planos pastorais da realidade;

- estimular a partilha e solidariedade entre as comunidades;

- assumir atitudes evangélicas em relação à família em sua situação concreta.


3 - Formação e Metodologia:


“... Em seguida, partiu de novo... confirmando as comunidades!” (At 18,23)

- criar e/ou fortalecer grupos apostólicos de sustentação e de convivência, para cultivo da vida e da fé;

- formar lideranças;

- constituir e fortalecer pequenas comunidades e grupos de famílias;

- continuar a formação integral permanente;

- valorizar a religiosidade popular;

- formar para o voluntariado e a caridade organizada sem esquecer a espontaneidade (alegria de servir);

- valorizar o serviço permanente, para que a família seja célula da comunidade evangelizadora;

- fomentar grupos de estudo, oração, amadurecimento e formação (viver mais intensamente na fé e missão);

- integração entre pastorais e serviços em relação à família;

- trabalhar os valores básicos que regem a sociedade e a família;

- educar e educar-se para o valor do servir (conversão).



Fonte: www.catequisar.com.br


Nenhum comentário: