quarta-feira, 14 de julho de 2010

Que se deve entender por “espiritualidade”?

O objeto da espiritualidade pode ser considerado uma perene preocupação do ser humano, mas, pelo que dissemos, resulta claro que a reflexão crítica e comparada sobre a espiritualidade em um contexto global é um fenômeno muito recente. Igualmente recente é o esforço no sentido de formular uma definição mais clara para o termo “espiritualidade”, cujo significado, como se sabe, é vago e genérico. Em um contexto

cristão tradicional, a espiritualidade estava intimamente ligada à celebração dos mistérios cristãos, especialmente a eucaristia, e se acha vinculada aos ideais cristãos de santidade e perfeição, pregados pelo evangelho.

A palavra “espiritualidade” finalmente encontrou seu espaço em diferentes línguas européias e, de acordo com o Oxford English Dictionary, de 1500 em diante o termo passou a designar “a qualidade ou condição de ser espiritual; que se liga ou diz respeito às coisas do espírito, em oposição aos interesses materiais ou mundanos”.

Aqui já temos a indicação de uma forte polaridade, que muitas vezes se traduz por um dualismo claro e mutuamente exclusivo, em virtude do qual o espiritual é visto como diferente de e freqüentemente oposto ao material, corpóreo e temporal. No cristianismo, mas também em outras religiões, o ideal espiritual muitas vezes se incorpora em grupos de indivíduos que praticam o ascetismo, o monaquismo e a renúncia ao mundo, com uma sólida tradição de negação do valor do corpo e do mundo. Muitas religiões não dispõem de um termo preciso para designar o conceito de espiritualidade. Em Taiwan, por exemplo, durante uma conferência sobre a espiritualidade da mulher contemporânea, ocorrida em 1996, fui informada de que não existe uma palavra na língua chinesa para designar a idéia de “espiritualidade”, muito embora a população local estivesse bastante envolvida na discussão em torno dos “valores espirituais”, dada a proximidade das eleições políticas naquele país.

Aparentemente, os diversos candidatos à presidência estavam buscando as bênçãos dos líderes espirituais, sobretudo as de uma importante monja budista, cuja influência sobre as pessoas parecia mais forte que a dos políticos. Esse é um bom exemplo da interação entre o espiritual e o político. Independentemente de sua origem cristã e ocidental, o conceito de espiritualidade universalizou-se agora, sendo utilizado como código para indicar a busca de direção, de sentido e de valores espirituais. O espiritual muitas vezes é concebido como busca interior, em contraste com o material, o físico e o exterior. Em muitos contextos tradicionais da espiritualidade, o termo tem realmente essa acepção.

Alguns entendem que o espiritual é mais amplo, mais disseminado e menos institucionalizado do que o religioso, ao passo que outros consideram o espiritual como o verdadeiro centro e coração da religião, que se expressa particularmente por meio da experiência místico-religiosa. Visando evitar uma concepção dualista e falsamente idealizada de espiritualidade, muitos autores tentam propor uma definição mais abrangente e inclusiva. Em trabalhos recentes, a espiritualidade tem sido descrita como um empenho para crescer em termos de sensibilidade _ para consigo mesmo, para com os outros, para com a criação não-humana e para com Deus _ ou como uma exploração daquilo que diz respeito ao processo de humanização. Nesse sentido, a espiritualidade está relacionada com a busca da plena humanidade. Para Sandra Schneiders, a espiritualidade é “aquela dimensão do ser humano em virtude da qual a pessoa é capaz de uma integração autotranscendente com a Realidade Última, seja ela qual for para o indivíduo em questão. Nesse sentido, todo ser humano é capaz de espiritualidade ou é um ser espiritual”.

O termo “espiritualidade” é aplicado aqui a uma dimensão de todos os seres humanos, à atualização dessa capacidade, bem como ao estudo dessa dimensão.


(A ESPIRITUALIDADE NA VISÃO DE PIERRE TEILHARD DE CHARDIN. Por: Ursula King. Revista de Teologia e Cultura/ Cyberteologia. Paulinas.)

Nenhum comentário: