domingo, 30 de maio de 2010

O Sabido e o Romeiro

Todos os dias, à mesma hora, no cair da tarde, passava o Romeiro para ir à Missa. Ele era feirante no Mercado da Produção e, chovesse ou fizesse sol, fechava sua banquinha pra poder ir à Missa.

De bicicleta, bagageiro lotado, pedalando para sua humilde casa com seus arrecadados. Para casa tomar banho, se arrumar.

Com um Tercinho na mão. Colônia de cheiro simples; cabelo bem penteado.

O Sabido, que morava numa casa na rua que o Romeiro passava todos os dias para ir à Missa, ficava intrigado com esta atitude.

Certo dia, o Sabido, grande conhecedor da Bíblia - sabia de cor e salteado muitos versículos bíblicos, sabia até quantos capítulos e versículos havia em cada Livro -, parou o Romeiro e lhe falou alguns versículos da Bíblia, dizendo que o que o Romeiro estava errando. Reclamou de seu Tercinho; acusou-lhe de idolatria; disse que sua igreja não era de Roma que matou os apóstolos; que os padres eram ladrões, mentiros, homossexuais...; disse que Maria estava em dormição e que tivera muitos filhos e que não era santa qual nada... Tudo isso ouviu pacientemente o Romeiro com um ar de sorriso no rosto (contrastando com a testa enrugada e olhos arregalados do Sabido).

O Romeiro perguntou:
- O sinhô sabe muito da Bíblia, num é?
- É a Palavra de Deus!! e...
- Peraí, irmão. Confesso q'eu num sei tanto da Bíblia como o sinhô...
- Mas você tá iludido com a babilônia. Os padres tão lhe engando.
- Olhe só! Tudo isso que o sinhô me falô tá na Bíblia num é? E o sinhô já leu ela toda, num foi?
- Foi. Tudo o que falo tá aqui na Palavra [falava isso batendo com a mão na Bíblia]
- Olhe, meu irmão, se tudo o que o sinhô aprendeu lendo a Bíblia todinha é isso, prifiro mais os versiclos que já sei... Porque, ser sabido como o sinhô, não se parece com o Jesus cô aprendi na Santa Missa... Por favor, me deixe ir agora, porque tô indo pra lá agora.

Foi-se o Romeiro para a Missa.

+ + +

Eudes Inacio, sJpVM
servo de Jesus pela Virgem Maria

Traição? Dependência. Amizade(?)

Que fazer quando se sente traído? Que fazer quando se sente desamparado, desmascarado por alguém que se confiava tanto? Não a máscara do fingimento, porque a gente só confiava mostrar o rosto para alguém que tínhamos em alta estima? Que fazer?

Amigo. Amiga. Palavras de alto valor. Muito, em tão pouco. Muito por parte de que depositamos; pouco porque são como nós, potes rachados, que escondem suas rachaduras e passam a vida tampando vazamentos (de nossos segredos, muitas vezes).

O fato é que muitas vezes escolhemos os melhores amigos sem perguntar se eles querem sê-los. Depositamos neles toda fofoca, malícia, perversões, segredos e até confidências sem consultarmos se querem saber ou partilhar tais assuntos. Simplesmente jogamos pra eles e dizemos: "pega no peito!" E daí, eles que se virem pra guardar tantas informações alheias e darem excluvidade e preferência a nós sempre (mas sempre mesmo!) que precisarmos (não quando ele puder, porque, se não, aí não é bom amigo.kkk).

Traí e fui traído
Traído fui quando confiei
Confiando num igual caído
Sequer lhe perguntei.

Se queria ser exclusivo
Ou ainda propriedade
Num bem taxativo
Amigo meu de verdade.

Virtude tem quem consegue
Ser pedaço de Deus aqui
Porque só o Eterno promete
Guardar o que pedi.

[se este blog fosse meu amigo confidente (exclusivo, propriedade - claro), eu não teria me expressado assim; óbvio.kkk]

Mas, é-nos dado o direito à escolha, não à certeza nas escolhas. Nossas expectativas não são correspondidas, porque não as guardamos pra nós, mas as depositamos "exclusivamente" em vasos como nós.

Prometo, então, ser melhor amigo, principalmente de mim. E prometo, também, continuar me confiando noutros vasos, quais bons amigos, porque não seria eu injusto em oportunizar aos meus aquilo que tanto aprecio, a fidelidade.

Salve Maria Imaculada!
+ + +

Eudes Inacio, sJpVM
servo de Jesus pela Virgem Maria.

quinta-feira, 27 de maio de 2010

10 Mandamentos

No meu trabalho honroso como catequista, ao lado de Paulo Ricardo e de Fátima na Igreja de N. Sra. das Graças - na Levada, tenho exercitado mais minha Fé e, por que não, aprendido mais sobre Ela.

Ao falar sobre os 10 Mandamentos da Lei de Deus, suscitou-me o Espírito: que são mandamentos?

Primeiro, pus-me a relembrá-los em ordem (confesso que nas 2 primeiras tentativas não acertei a ordem - isso vem desde minha catequese na turma do catequista Cícero Lins e Anderson [ajudante], na Perpétuo Socorro, há 17 anos, que tinha ainda: Adalberon, Adriana Calado, Alberto, Cícero Michael, Fernando Ítalo, Iolanda, entre outros... tempos bons).

Ora, voltemos aos 10 Mandamentos. Se são Mandamentos, não são pedidos para que, se puder, faça.

Quando mandamos nossos filhos fazerem algo, dizemos "faça se quiser"? Ordenamos, mandamos. Deus o faz também. Deus nos manda porque é preciso executarmos Seus Mandamentos se queremos dizer que O servimos.

Eis a chave: Diante de Deus, aqueles que observam Seus Mandamentos. Se esquecemos Deles, como poderemos observá-Los? Se são Mandamentos, não são "façam se quiserem". Os Mandamentos são condição ao lado de vender tudo e dar aos pobres, tomar sua Cruz e seguir ao Cristo (cf. Mc 10,17-21).

Reaprendi o valor dos 10 Mandamentos: Conhecê-Los, observá-Los e confiar na Graça.

+ + +

Eudes Inacio, sJpVM

Porque sou Católico.

Ultimamente, entre tantos contra-testemunhos, refleti e ouvi reflexões de jovens atordoados na fé por causa de alguns sacerdotes. Tem sido - não foi - uma experiência dolorosa.

Mas por que ser católico? Por que não se tornar protestante ou espírita ou cristão em casa? (ouvi declarações como estas) Ou, do tipo "nunca mais vou pra igreja".

Confesso que refleti muito sobre tais declarações e reações. Senti-me compelido a "dar razão de fé a todos que me falavam" (cf. 1Pe 3,15). Por isso, eis algumas:

1ª - Quem é meu Salvador: Jesus ou algum padre?
2ª - Por que vou à Igreja: por Jesus ou por causa de alguém?
3ª - O que faço na Igreja de Cristo é pelo Cristo ou por causa de alguém?
4ª - Quem pecou foi Jesus ou um de seus membros (com batina ou não)?
5ª - Se Cristo deve ser adorado sobre todas as coisas e pessoas, vou me afastar dele por causa de um de seus servos?
6ª - Qual é o maior pecado, que peso tem? Respondo: só Aquele que os carregou sobre seus ombros numa Cruz - mais uma vez, Cristo!
7ª - O meu sacrifício diário para ser bom servo Cristão precisa de reconhecimento de quem: de Cristo ou de alguém?
8ª - Quando vou à Missa, o Sacrifício Santo e Perpétuo ao Deus Pai, vou oferecer-me ou julgar quem não é digno de oferecer-se? - Presunçoso, não? -.
9ª - Abandonar a Igreja, ajuda-A?
10ª - Existe culto a Deus sem sacrifício? Não! Então o que ofereceria eu em casa? E o que eu faria com o 3° Mandamento da Lei de Deus?

Bem, estão aí 10. Se forem necessárias + 10, estou pronto, porque não falo por mim, mas pelo Espírito que, por misericórdia, dignou-Se instruir-me.

Lembro ainda: Quando tiramos os olhos da Cruz de Cristo, começamos a idolatria.

+ + +

Eudes Inacio, sJpVM

sexta-feira, 7 de maio de 2010

Conselho Econômico Paroquial

Caros irmãos e irmãs,

Evitemos com toda força a submissão da Missão de nossa Igreja.

Nossa Igreja há dois mil anos vem pregando o Evangelho de Cristo sem pender à idolatria secular.

Hoje em dia, diante de tanto desemprego, escassez de recursos financeiros, muitos têm se aproximado da Igreja com interesses não-cristãos, não de evangelizadores, nem sequer dignos.

Nossas paróquias não podem ser coniventes com esses que querem viver agarrados no templo, sugando os dízimos. Por isso, não podemos fazer de nossas paróquias verdadeiras "pencas" de emprego, os chamados "cabides de emprego".

É verdade que há conivências de "amizades" e parentescos nesses "cabides". É repudiável tal atitude, uma vez que, na maioria das vezes, são pagos para trabalhos insatisfatórios, desnecessários e até para nada fazerem.

Ora, não seria melhor empregar o dinheiro, que vem muitas vezes de dizimistas pobres, colaboradores fiéis, para a evangelização e a manutenção do templo, e não para fazer agrados a "A" e a "B".

É hora de nossas comunidades eclesiais assumirem o compromisso do Conselho Econômico Paroquial. É um processo, mas precisa ser iniciado para poder ser concluído.

Negligenciar à comunidade a reta orientação das economias de uma paróquia é oportunizar até mesmo salafrários, de má índole e enganar as ovelhas de Cristo. Além disso, um Conselho Econômico Paroquial evitaria muitas fofocas sobre as economias e o dízimo paroquial.

Lembremos da Campanha da Fraternidade, do Evangelho de Cristo: não podemos servir a Deus e ao dinheiro (Mt 6,24).

Quando tiramos os olhos da Cruz de Cristo, começamos o processo de idolatria.

+ + +

Eudes Inacio, sJpVM
servo de Jesus pela Virgem Maria.

quinta-feira, 6 de maio de 2010

Igreja Verdadeira

Surpreende ver como podemos hoje em dia ver tantas casas virando "igreja". Basta ter uma Bíblia, e lá vai mais um iluminado abrir uma "igreja" e denominá-la a "verdadeira".

Ou ainda tem uma nova modalidade, copiando americanos do norte, como sempre: a igreja em casa; basta ser cristão em casa; porque os primeiros cristãos celebravam em casa... (sic!) É a modalidade hippie - paz e amor! Só!!!!! Eita povo pra inventar!... Daqui a pouco vem o modelo de cristianismo de floresta, ou submarino ou lunar (kkk).

Mas, e aquela Igreja que fala da cruz, quem quer saber dela? Aquela: Sem promessas de carro, ou de dinheiro, ou de curas... quem quer?

Eu quero, eu respiro, eu amo, eu vivo esta Igreja!

Mas, falando de "ser Igreja", entristece-me ver como há pessoas que buscar na Igreja o amparo para suas dores e provocando dores nos outros. Quando se apegam aos afazeres da Igreja tal forma que se entretêm até durante a Missa - a Missa passa e elas lá, conversando sobre. Pessoas que ficam na sacristia durante a Missa (salvas exceções necessárias); secretários(as) de Igreja que não participam da Missa, mas "marcam" Missa para os outros.

Que dizer de funcionários da Igreja que são contra a Igreja? Que dizer de pessoas inescrupulosas que dão contra-testemunho de vida cristã e ainda dizem "eu sou católico, mas num concordo com a Igreja"?... Peraí, como é que é? Você é o que mesmo? (sic!)

Há pessoas que vivem na Igreja para "adular" os sacerdotes, serem-lhe prestativas, solícitas... mas só isso. Claro que temos que amar, respeitar e cuidar de nossos padres, mas cultuá-lo, não! CRISTO muitas vezes é o que menos interessa para essas pessoas: se achegam, pensam ser donas de "cargo" na Igreja. Fazem isto não por causa dos "cristos" que vêm para a Igreja, mas só para se mostrarem "boas" para o padre.

Chega!!! Não escrevo para ser agudo, mas incisivo.

Meus irmãos, CRISTO, em Sua Igreja, nos quer e conta conosco. O Foco ainda é ELE e somente ELE!

Não são necessárias adulações ao padre ou a qualquer outra pessoa: Quem quiser ser prestativo, proponha-se ao padre para ajudá-lo na catequese ou nas pastorais - assim o ajudamos. Não sufoquemos o sacerdote com fuxicos, mexericos, fofocas. Quem ama o padre, permite que ele seja ele mesmo para todos, não exclusivo.

Digo mais: quem ama o padre como pai, é verdadeiro com ele nos acertos e nos eventuais enganos - sem fingimentos ou adulações. Apenas verdadeiro.

Quando rezarmos nosso Santo Rosário, façamo-lo por amor à Virgem e conversão nossa; não para parecermos "rezadores" piedosos. O que fizermos na Igreja, deve ser por causa da salvação de nossas almas e dos irmãos também.

CRISTO acaso se ilude? Pode ser enganado? Por que às vezes nos propomos a fazer coisas "para os outros", para que pensem que somos "pessoas tão católicas"?

Quem trabalha na sacristia ou na secretaria ou na limpeza ou com idosos ou com ornamentação ou na portaria ou com jovens ou com os doentes... tudo o faça por CRISTO. A ELE a glória, o poder, o louvor e a adoração pelos séculos sem fim. Amém.

Repito: quem tira os olhos da Cruz, já começa o processo de idolatria.

+ + +
Eudes Inacio, sJpVM

terça-feira, 4 de maio de 2010

Mártires

A história cristã está cheia de relatos de tantos homens, mulheres e crianças que derramaram seu sangue, deram suas vidas para que hoje pudéssemos conhecer a Fé Cristã.

Por outro lado, hoje em dia há tantos de nós que pouco valoriza o sangue dos Mártires, o Sangue do Cristo... Muitos de nós que escandalizam, toleram o paganismo da moda, da mídia, do prazer; fazem pouco caso do Sacrifício Eucarístico... muitos de nós que preferem a religião do zen, do mamon, à religião da Cruz, do jejum, da abstinência e do 6° Mandamento (e dos outros Mandamentos também)... Muitos de nós que emporcalham o nome CRISTÃO.

Vejamos o que fez Carpo, no Séc. III, para preservar o nome que alguns de nós emporcalham:

Martírio de Carpo

No tempo do imperador Décio, Ótimus era procônsul em Pérgamo; o bem-aventurado Carpo, bispo de Gados, e o diácono Papilo de Tiatira, ambos confessores de Cristo, compareceram diante dele.

O procônsul disse a Carpo:

- Qual é o teu nome?

- O meu primeiro nome, o mais belo, é Cristão. O meu nome no mundo é Carpo.

- Conheces os editos de César que vos obrigam a sacrificar aos deuses, senhores do mundo, não é verdade? Ordeno-te que te aproximes e que ofereças um sacrifício.

- Eu sou cristão. Adoro Cristo, Filho de Deus, que veio à terra nestes últimos tempos para nos salvar e nos livrar das armadilhas do demônio. Não vou por isso sacrificar a esses ídolos.

- Sacrifica aos deuses, como ordena o imperador.

- Morram os deuses que não criaram o céu nem a terra.

- Sacrifica como quer o imperador.

- Os vivos não sacrificam aos mortos...

- Então tu crês que os deuses estão mortos?

- Certamente. E vê como: eles assemelham-se a homens, mas estão imóveis. Deixa de os cobrir de honras; como eles não se mexem, os cães e os corvos virão cobri-los de esterco.

- Basta sacrificar. Tem piedade de ti mesmo!

- É mesmo por isso que eu escolho a melhor parte.

A estas palavras, o procônsul mandou que o pendurassem... e lhe rasgassem o corpo com unhas de ferro...

(In: padrehenrique.com)

É verdade!... "morram os deuses que não criaram o céu e a terra." E o que estamos fazendo? Por causa de dinheiro, sexo e objetos, nós trocamos Deus.

Mas Carpo preferiu a morte: "... por isso que eu escolho a melhor parte."

Morramos para o mundo. Não há mais mártires nesta sociedade porque a maioria de nós prefere cultuar o paganismo, "ir na onda", "deixando a vida nos levar", calar, abafar, fingir que é assim mesmo e que nada vai mudar, ou que "se Cristo não deu jeito, eu vou poder dar?"

Cristão que não é perseguido pelo mundo, é porque já pertence ao mundo. É duro ouvir isso? Mas foi o Senhor que disse em Jo 17,14.

Enquanto buscarmos essa religião de paz de cemitério, aquela que não acontece nada, nada nos atinge, nada de mal nos ocorre, tipo "corpo-fechado", será sempre diferente daquela que fala em Mt 5,11 e em Mt 10,38.

Tenhamos a coragem para viver com os olhos voltados para Cruz que o mundo odeia, como Paulo falava em 1Cor 1,18-25 e em Fl 1,21.

Como disse Cirineu Kubn em sua canção:
(...)Pai nosso, dos mártires, dos torturados.
Teu nome é santificado naqueles que morrem defendendo a vida,
Teu nome é glorificado, quando a justiça é nossa medida...
(...)Queremos fazer Tua vontade, és o verdadeiro Deus libertador,
Não vamos seguir as doutrinas corrompidas pelo poder opressor.
(...)Perdoa-nos quando por medo ficamos calados diante da morte,
Perdoa e destrói os reinos em que a corrupção é mais forte.

+ + +
Eudes Inacio, sJpVM

Pedofilia

É verdade que têm ocorrido casos de pedofilia na Igreja (não da Igreja, fique bem claro!).

Há hipócritas que defendem "paquerar" menores nas ruas, principalmente em frente aos bares - menores com micro-saias, shortisinhos... dançando até "ela sai de saia e de bicicletinha... mostrando a calcinha...", e ainda há pais que aplaudem tais atos (sic)... Há ainda quem acuse menores por "assediar" adultos. Acaso falo da realidade de um outro planeta?

Ainda mais, vão dizer que ninguém sabia que no Mercado da Produção não há "troca" de sexo por cola? Que há adultos comprando sexo (abusando de menores) em frente ao Mercado do Artesanato em plena luz do dia? Que aquelas meninas que dormem nas ruas do CENTRO DE MACEIÓ (sic) não são molestadas? Que, por uma pedrinha de crack, aquelas crianças aceitam quase tudo?

Não escrevo isto para justificar os erros ocorridos por membros do clero ou do corpo da Igreja de Cristo, mas para mostrar (se é que se pode dizer que o que escrevi estava escondido...) que o problema é cultural e socialmente aceito. Ôxi! Socialmente aceito? é o que você pode estar perguntando. Mas se todos sabemos o que ocorre ou, fingindo não saber, negamos... é socialmente aceito! Ninguém diz nada, além de uns poucos nas ONG's que gritam - e muitos de nós fingem não ouvir.

Verdade é que vivemos numa sociedade desmoralizante, deturpadora de valores e destruidora da família. E as famílias cristãs são mais catequisadas pela TV, pelo disse-me-disse, que pela Igreja. Isso é fato! Aí, você diz: - a Igreja tá cheia de maus exemplos. Daí eu digo: na sua casa, o que você tem feito com sua cria? Tem ensinado seus filhos a rezar? Já falou de Cristo para eles? Falou pra eles que há um plano de Salvação que nos foi proposto por Deus?... Ora, há tantos que dizem rezar em casa ou que Deus está em todo lugar, só para mascarar sua falta de compromisso com o todo, ou seja, todo o Povo de Deus. Pessoas que dizem crer em Deus, que Deus é fiel, que Deus é mais, mas não sabem que Este mesmo Deus disse no 3° Mandamento. (quem não sabe, procure um livrinho de catecismo, ainda que velhinho, que ele vai lhe ensinar)

Cristão católico, escute: não tenha vergonha de quem você é. Cristão faz o Sinal da Cruz, reza Ave-Maria sem se preocupar com o que vão pensar. Agora você pode perguntar: - que tem isso a ver com a pedofilia?... É que a pedofilia é apenas uma das expressões da paganização desta sociedade.

Comece você a cristianizar sua casa, sua família. Não tolere, ainda que insipiente, qualquer manifestação pagã em sua casa.

+ + +
Eudes Inacio, sJpVM.

segunda-feira, 3 de maio de 2010

Androgenia Religiosa

Deparamo-nos constantemente com músicas de cantores cristãos que não falam de fé, nem de esperança ou sequer de Cristo.

Músicas que falam de "força", de "iluminar", de "paz"... é uma apologia ao se dar bem na terra: religião do bem é a que me deixa zen...

Há ainda canções que falam de nada, para o nada... são sentimentalismos como se religião fosse feita para deixar você tão confuso que não saiba nem no que crê realmente.

É o que chamo de androgenia religiosa: tantas opções, tanta mistura, mas tudo sem Cristo. Músicas feitas para vender CD's, só isso.

Não seria uma vergonha utilizar-se do nome de cristão para ganhar dinheiro com falácias, verborréias e confusão da fé?

De fato, o que acontece é a introdução do espírito do mundo no meio cristão. Primeiro por causa do dinheiro, do status e do prazer. Segundo por causa do inimigo de Cristo que insiste em confundir e difundir suas "seitas" através da música - inclusive -, seitas musicais relativistas que primeiro dizem ser tudo igual, depois repudiam tudo que sugere Deus com Seus Mandamentos.

Vivemos numa sociedade que relativiza tudo, para depois apregoar o dogma do inconformismo, da libertinagem e da anarquia.

Quem tira os olhos da Cruz de Cristo, começa o processo de idolatria.

+ + +
Eudes Inacio, sJpVM