domingo, 26 de dezembro de 2010

É BOM SER CRISTÃO...

Vejamos as notícias:

Padre sofre ataque violento na Índia [2010-12-22]
Igreja em Orissa pede mais proteção no Natal

Iraque: Natal atrás dos muros [2010-12-17]
Arcebispo de Mossul propõe conferência sobre minorias no Oriente Médio

Informe registra crimes de ódio contra cristãos na Europa [2010-12-14]
Observatório chama a uma ação internacional a favor dos cristãos

Relatório sobre liberdade religiosa [2010-12-12]
Preocupação pelas restrições de muitos Estados

Egito: convivência religiosa está ameaçada [2010-12-07]
Recentes confrontos violentos entre manifestantes coptos e policiais

Outros dois cristãos são assassinados no Iraque [2010-12-06]
Centenas de famílias cristãs fogem para norte do país

Congo: padres denunciam “regime de terror” [2010-12-05]
Mensagem publicada após a morte do sacerdote Christian Bakulene

Sem valores, instala-se cultura da violência e da desordem [2010-12-03]
Arcebispo convida a redescobrir em Deus o significado último da existência

Radiografia da liberdade religiosa no mundo (4): Ásia [2010-12-02]
Síntese do Informe 2010 elaborado por “Ajuda à Igreja que Sofre”

Radiografia da liberdade religiosa no mundo (2): Norte da África e Oriente Médio [2010-11-30]
Síntese do Informe 2010 elaborado por “Ajuda à Igreja que Sofre”

Radiografia da liberdade religiosa no mundo (1): América [2010-11-29]
Síntese do Informe 2010 elaborado por “Ajuda à Igreja que Sofre”

200 milhões de cristãos são perseguidos no mundo [2010-11-24]
Apresentado o Relatório sobre a Liberdade Religiosa da AIS

(www.zenit.org)

Papa condena ataques a igrejas no Natal

domingo, 26 de dezembro de 2010 12:24
(http://br.reuters.com)

VATICANO (Reuters) - O Papa Bento 16 condenou neste domingo os ataques a igrejas na Nigéria e nas Filipinas no dia de Natal, chamando-os de violência absurda.

O papa disse a fiéis e turistas na Praça de São Pedro que ficou entristecido pelos ataques nos dois países, além do ataque suicida que ocorreu no Paquistão.

"Quero expressar meus sinceros pesares pelas vítimas desse atos absurdos de violência, e mais uma vez repetir meu apelo para que abandonem esse caminho de ódio e busquem soluções pacíficas para conflitos", disse o líder religioso em sua janela.

Seis pessoas morreram em ataques a duas igrejas cristãs no nordeste da Nigéria, país mais populoso da África, e outras seis ficaram feridas após a explosão de uma bomba em uma igreja católica na cidade de Jolo, nas Filipinas.

Em mensagem de paz divulgada em 16 de dezembro, o papa afirmou que os cristãos são o grupo religioso que mais sofre preconceito no mundo hoje, e que é inaceitável que tenham que arriscar suas vidas para praticar sua fé em alguns países.

Ao menos 40 pessoas morreram em um ataque suicida em Peshwar, no Paquistão, também no dia de Natal.


+ + +

E ainda nos deparamos com pessoas que se dizem cristãs, aqui na Cidade de Maceió, que investem tempo e voz em criticar os católicos.

É fácil se dizer "missionário evangélico" vociferando contra a Igreja de Cristo que, aceitem os protestantes ou não, foi graças a esta Igreja que hoje em dia, aqui no Brasil, há liberdade de expressão de minorias - como a deles, por exemplo.

Vale também ressaltar para nós, cristãos católicos, o valor de quem somos. Vivemos num "cristianismo light", sem preocupação, de não nos importarmos com a Igreja, com o Louvor Divino, com o Culto da Missa... que vergonha! Em vista do sangue derramado dos mártires que nos passaram a Fé e destes que ainda vivem martirizados pelos longínquos confins da Terra...

Não seria digno de nossa parte ao menos rezarmos por nossos irmãos pequeninos, por nossos sacerdotes, por nosso papa, por nossa Igreja? Ou contribuirmos com as missões nossa cidade, com a evangelização de nossa família, a catequese de nossos filhos e jovens? Ao menos darmos exemplo de cristãos para que levem a sério o ser "povo de Deus", o "povo eleito".

... Vou rezar!

terça-feira, 21 de dezembro de 2010

Bispo rejeita homenagem do Senado para protestar contra aumento

Senadores passaram por saia-justa em sessão solene no início da tarde de hoje (21/12). Ao ser indicado pelo senador Inácio Arruda (PCdoB-CE) para receber a comenda de Direitos Humanos Dom Helder Câmara, o bispo de Limoeiro do Norte (CE), D. Manuel Edmilson da Cruz, constrangeu os parlamentares presentes ao rejeitar homenagem. O bispo afirmou que receber a comenda seria uma "afronta ao povo brasileiro", depois que os parlamentares reajustaram o próprio subsídio em 61,8%.

"Meus irmãos e irmãs, falo agora de coração com muita fé, sem diminuir o grande respeito que devo a todos, mas falo como irmão e irmã sobretudo, quer dizer, assumindo a alma de todas as pessoas, pois é exatamente nesse momento que o Congresso aprova o aumento de 61% dos honorários de seus parlamentares que, em poucos minutos, chegam a essa decisão e, ao efeito cascata resultante, o impõe ao povo brasileiro, o seu, o nosso povo. O povo brasileiro, hoje de concidadãos e concidadãs, ainda os considera parlamentares? Graças ao bom Deus, há exceções decerto em tudo isso. Quem assim procedeu não é parlamentar. É para lamentar", atacou D. Manuel, que ainda exigiu que o Congresso reavaliasse a votação e retomasse o patamar antigo salarial.

O bispo ainda lembrou que quando o sul-africano Nelson Mandela assumiu a presidência de seu país reduziu em 50% o próprio salário. "Quem vota em político corrupto está votando na morte! Mesmo que ele, paradoxalmente, seja também uma pessoa muito boa, um grande homem. Ainda não do porte de um Nelson Mandela que, ao ser empossado presidente da República do seu país, reduziu em 50% o valor dos seus honorários."

(www.correiobraziliense.com.br)

Disse ainda, Dom Manuel Edmilson da Cruz, bispo de Limoeiro do Norte-CE.

"(...)Senhores e Senhoras, meus irmãos e irmãs, sinto-me primeiro perplexo, depois decidido. A Comenda hoje outorgada não representa a pessoa do cearense maior que foi Dom Helder Camara. Desfigura-a, porém.
De seguro, porém, sem ressentimentos e agindo por amor e com respeito a todos os senhores e senhoras, pelos quais oro todos os dias, só me resta uma atitude: recusá-la. (Palmas.). Ela é um atentado, uma afronta ao povo brasileiro, ao cidadão contribuinte para o bem de todos com o suór de seu rosto e a dignidade de seu trabalho.
É seu direito exigir justiça e equidade, em se tratando de honorários e de salários, também. Se é seu direito, e eu aceitar, estou procedendo contra os direitos humanos. Perderia todo sentido este momento histórico. O aumento a ser ajustado deveria guardar sempre a mesma proporção que o aumento do salário mínimo e o da aposentadoria. Isso não acontece! O que acontece –repito– é um atentado contra os direitos humanos de nosso povo. A atitude que acabo de assumir, assumo com humildade... Assumo com humildade, sem pretensão a dar lições a pessoas tão competentes e tão boas. A todos suplico compreensão e a todos desejo a paz e os meus sinceros votos de um abençoado feliz Natal e um próspero Ano Novo. Deus seja bendito para sempre! Muito obrigado.


(http://congressoemfoco.uol.com.br)

quarta-feira, 15 de dezembro de 2010

MUITA FESTA E POUCA CATEQUESE


Nos últimos meses, a quantidade de eventos, festas, shows, apresentações, espetáculos em nossa Arquidiocese tem sido grande e diversificada.

Há pouco tempo, nós cristãos católicos dizíamos "não tem nada na nossa Igreja?". Hoje posso dizer que temos muitas ações, muitos eventos.

Shows, espetáculos, festas, arrastões, acampamentos, caminhadas... Quanta coisa!

Muitas propostas têm sido verdadeiras ações evangelizadoras; outras, a meu ver, nem tanto.

Perdemo-nos em atrativos, a maioria captadores de níqueis, que impressionam no tamanho, mas incipientes em cristanização.

Nosso Pastor, Dom Antonio Muniz, qual admiro, tem se dedicado, em cada ação, pela Igreja Missionária e Samaritana; contudo, a meu julgar, o CORPO tem membros distoantes do ritmo do Apóstolo.

Acredito, e assim vivo e falo, como Santo Inácio de Antioquia quando dizia que as ovelhas devem estar onde o Bispo está e que ninguém fizesse qualquer coisa sem o Bispo.

Se todos nossos esforços forem unidos ao zelo do nosso Bispo, tenho certeza que a Videira ficará viçosa. Mas se ficarmos enfeitando os ramos com belos e pesados adornos, esses quebrarão.

Após um show com 2.000 pessoas, gritando pelo cantor ou pela banda, ainda que por canções cristãs, qual catequese ficará?

Pois é. Encaro eventos como uma missão e como tal, qual será a pós-Missão? O que fica, o que resta nos corações?

O que fazemos com aqueles(as) que saem dos eventos? Convidamo-lhes para a Missa? A se engajarem nos grupos, movimentos ou pastorais? Alguém se importa em, após o show, ir em busca, na casa, convidá-los a serem cristãos?

Convidar a ser cristão! Ora, por que não? Ou ainda pensamos que todos os que vão aos eventos são cristãos católicos?

Enquanto o "critério da quantidade" de gente nos eventos para dizê-los bons e continuaremos com muito marketing e catequese pouca, como diz Padre Zezinho. Ou teremos a preocupação pastoral de saber o que resta afinal?

Se permanecerem os ramos querendo dar frutos independentes ou diferentes da Videira do Pastor, serão sempre viçosos, atrativos, mas sem seiva, pois já não dão fruto comum ao Corpo.

Promoções individualistas ou sectaristas são e sempre serão extra unitatem.

+ + +
Escrevo não como tirador de fruto, mas como folha dessa gigante Árvore.

Escrevo porque creio já ser a hora de se planejar mais e vivenciar mais a unidade em nosso Corpo.

Antes, tínhamos quase nada de atrativos; hoje é tempo de nos organizarmos para que a Árvore dê mais frutos.

Eu acredito que toda ação (evento, show, arrastão, caminhada, etc.) é Missão, e como tal deva ter a pós-Missão, ou ao menos o intuito evangelizador-catequético.

Julgo como perda toda e qualquer evento que se busque a "multidão" per si ou apenas o níquel. A promoção é da Igreja e não do grupo "A" ou da comunidade "Z".

Que Cristo cresça, e eu desapareça!

segunda-feira, 13 de dezembro de 2010

LEI DELEGADA

Segundo os comentários do jornalista Ricardo Mota, o governo de Alagoas deseja promover a chamada Lei Delegada, que consiste em o Poder Legislativo deixar o governador mandar e desmandar sem passar pelo Legislativo. Pode isso?

Estamos numa Monarquia? É, por acaso, o governador mais inteligente e melhor intecionado que os 27 deputados de Alagoas?

Se o governador sabe o que é melhor para os alagoanos e pode fazê-lo sozinho, então para quê pagarmos aos deputados?... Tenhamos juízo!

O então governador Ronalo Lessa já usou deste atributo certa vez e pergunte aos servidores o que aconteceu.

Deixo meu comentário que postei no Blog do referido jornalista:

Não! Esta é minha opinião. É verdade que o governador pode extinguir comissionados, mas pode também extinguir a Uncisal e Uneal, transformar órgãos em fundações, contratar sem concurso, criar oscips estatais legitimando o contrato sem concurso (como já ocorre na Uncisal, a saber)…
Se há urgências de ótimas ações, que envie o pacote à Casa Legislativa em caráter de urgência e conclame o povo, mostre ao povo que o que se deseja é o melhor para os alagoanos.
Muito poder numa só mão é monarquia. Respeitemos os 3 poderes.
Se pagamos a deputados, então pra quê deixar que o governador resolva tudo sozinho?
Senhores deputados, trabalhem! E saibam: todo jovem assassinado por omissão do Estado, por falta de leis e amparo, é culpa dos senhores. Igualmente cada mãe que perde seu filho por falta de leitos, é culpa dos senhores. Por fim, cada pai de família explorado e humilhado pelo desespero e/ou desamparo, é culpa dos senhores.
Não durmam, senhores deputados, sem se perguntarem: estou sendo melhor que ontem (e de que os que critico)?

quarta-feira, 1 de dezembro de 2010

MEU CANTO DE PJteiro (Desabafo!)

PJteiros... como Caminheiros

Eu quero apenas olhar os campos,
Eu quero apenas cantar meu canto,
Eu só não quero cantar sozinho,
Eu quero um coro de passarinho,
Quero levar o meu canto amigo,
A qualquer amigo que precisar.

Eu quero ter um milhão de amigos
E bem mais forte poder cantar
Eu quero ter um milhão de amigos
E bem mais forte poder cantar

Eu quero apenas um vento forte,
Levar meu barco no rumo norte
E no caminho o que eu pescar
Quero dividir quando lá chegar
Quero levar o meu canto amigo
A qualquer amigo que precisar

Eu quero crer na paz do futuro,
Eu quero ter um quintal sem muro
Quero meu filho pisando firme,
Cantando alto, sorrindo livre
Quero levar o meu canto amigo
A qualquer amigo que precisar

Eu quero amor decidindo a vida,
Sentir a força da mão amiga
O meu irmão com sorriso aberto,
Se ele chorar quero estar por perto
Quero levar o meu canto amigo
A qualquer amigo que precisar

Venha comigo olhar os campos,
Cante comigo também meu canto
Eu só não quero cantar sozinho,
Eu quero um coro de passarinhos
Quero levar o meu canto amigo
A qualquer amigo que precisar

[Minhas sinceras consideração e homenagem ao meu amigo-irmão Wilcler Pinheiro, o Rick PJteiro, pois sei que apesar de ele ser, como eu (barrigudo), tem um coração enorme.]

********

Música de Erasmo Carlos e Roberto Carlos. Eu Quero Apenas. 1974.

Para ouvir esta música:

http://boechat.com/blips/euqueroapenas.mp3
http://abmp3.com/download/7167013-eu-quero-apenas.html



sábado, 27 de novembro de 2010

SOBRE A VIOLÊNCIA DOS JOVENS

“Você quer receber um beijo de quem nunca foi beijado?”*


O Zeca acertou! Como esperar a reciprocidade daquilo que o outro não tem nem conheceu? Contentamo-nos em dizer que tem escola, que o governo dá “bolsa”, que o acesso e o dinheiro são mais fáceis… Na prática, na vida do jovem pobre, por exemplo, acontece que ele vê na TV que para ser feliz é necessário comprar o objeto “A” ou “B”; que é feliz quem tem isso ou aquilo; que só é feliz quem consome, independentemente se por cima de algum valor ou alguma pessoa.
Os Valores de outrora subsistem para os “valores” ($$$) de hoje.
Ensina o governo deste País: É insuportável ser pobre; só é pobre quem quer, porque já foi facilitado dinheiro nos bancos, existem as “bolsas” alimentação (compra de voto institucionalizada, a meu ver)… Não tem dinheiro quem não quer. É assim que o governo pensa: tome dinheiro e sorria, porque você é feliz.
Compramos objetos e vendemo-nos. Vendemos nossos valores para adquirirmos conforto e prazeres instantâneos.
Como pode, o jovem supracitado, vislumbrar ser sem ter?
Termino:
- Oi irmão, de qual denominação você é?
- Sou do Bradesco. E você?
- Ah, irmão, aceite vir pro do Brasil. Aqui a graça ($) acontece.
- É mesmo irmão?
- É. Tem até obras sociais como o PAC, construção de casas, apoio aos esportes… Tudo na minha instituição.
- É, irmão, tem praticar, né. Só depositar é obra morta…
- É verdade.
[enquanto isso, na porta da Instituição do Brasil, há uns pedintes das graças (moedas)].
Não esqueço que tudo começou com apoio dos cristãos (sinto!).

* Frase atribuída a Zeca Pagodinho, no Blog de Ricardo Mota em: http://blog.tudonahora.com.br/ricardomota/2010/11/26/voce-quer-um-beijo-depois-da-munhecada-no-espinhaco/#comments

domingo, 21 de novembro de 2010

QUEM SE DIZ CRISTÃO, SEGUE O SEU BISPO

Da Carta aos Efésios, por Santo Inácio de Antioquia (séc. II), bispo e mártir:

Exorto-vos a proceder segundo o pensamento de Deus. Pois Jesus Cristo, o indefectível princípio da nossa vida, é o pensamento do Pai. Do mesmo modo, os bispos, estabelecidos até aos confins da terra, estão no pensamento de Jesus Cristo.

Convém, pois, proceder segundo o pensamento do vosso bispo. É, aliás, o que fazeis. O conjunto dos vossos sacerdotes, verdadeiramente dignos de Deus, está ligado ao bispo como as cordas o estão à cítara. Assim, na conformidade dos vossos sentimentos e na harmonia da vossa caridade, cantais Jesus Cristo. Que cada um de vós se torne membro deste coro para que, na harmonia da vossa conformidade e no tom de Deus, canteis na unidade de uma só voz os louvores do Pai, por Jesus Cristo.

Vós sois as pedras do templo do Pai, talhadas para o edifício que Deus Pai construiu, que se eleva até ao cimo pelo instrumento de Jesus Cristo, que é a Sua cruz, servindo-vos como cabo do Espírito Santo. A vossa fé atrai-vos para o alto, e a caridade é o caminho que vos eleva até Deus. Sois também companheiros de caminho, portadores de Deus e do Seu templo, portadores de Cristo, levando os objetos sagrados, ornados em tudo com os preceitos de Jesus Cristo. Convosco, vivo na alegria; regozijo-me convosco pelo fato de que, vivendo uma vida nova, amais apenas a Deus.

(Por Dom Henrique Soares, Bispo Auxiliar de Aracaju, em: http://costa_hs.blog.uol.com.br/)

sábado, 13 de novembro de 2010

A PALAVRA E SEU PODER

Tua Palavra é vida para a minha vida - I

A Palavra de Deus que, em última análise, é Cristo, é a Verdade da nossa vida! Isto significa que somente à luz da Palavra, poderemos encontrar o verdadeiro sentido da existência e, caminhando pelo caminho reto, encontrar a plenitude da vida e nela viver.

Se hoje, a angústia, verdadeiro monstro que nos ameaça, é a falta de sentido, a Palavra, que é Cristo, aparece, precisamente como o Sentido! Então, viver na Palavra é viver na verdade da própria existência, é viver a vida no sentido que Deus pensou para nossa existência e, assim, viver autenticamente, viver na verdade, sem falsear a própria vida. O fruto disso é a paz! Era isso que São Jerônimo queria dizer à Paula, sua discípula: “Que mel, que manjares podem ser mais doces que conhecer a providência de Deus, penetrar seus segredos, examinar o pensamento do Criador e ser instruído nas palavras do Senhor, objeto de zombaria dos sábios deste mundo, mas que estão cheias de sabedoria espiritual? Que outros tenham suas riquezas em outros lugares, bebam em copos engastados de pérolas, brilhem com a seda, gozem de popularidade e, por causa da variedade de prazeres, não sejam capazes de vencer sua opulência! Nossas delícias sejam meditar na lei do Senhor dia e noite, chamar à porta que se abre, receber os pães da Trindade e, com o Senhor à frente, pisar as ondas deste século”.

Nós somente seremos nós mesmos, na medida em que alicerçarmos nossa existência na Palavra do Senhor: ela nos abre o sentido da vida, o rumo da existência, a direção de nossos passos, dando-nos, assim, o acesso ao país da paz e da salvação!

Poderíamos nos perguntar: Tenho procurado pelo sentido de minha vida? Onde o encontro? Tenho esforçado-me para ver e sentir a partir da Palavra de Deus, que é o próprio Cristo? Cristo – sua pessoa, suas palavras, sua vida... – tem sido o referencial de minha existência? Tem sido minha verdade e vida da minha vida?

Mas, viver na Palavra exige freqüentar a Palavra, isto é, a leitura contínua, fiel e crente da Escritura Sagrada. É o que tradicionalmente se chama lectio divina. Trata-se da reverente, piedosa, perseverante e humilde busca da Palavra na palavra! Ler, escutar, reter, aprofundar, viver a Palavra de Deus contida na Escritura, mergulhar nela com fé e amor: nisso consiste, essencialmente, a lectio divina. É preciso que tenhamos bem claro que abrir a Escritura é encontrar a Deus; esta é o livro dos que buscam o Senhor! Como dizia Orígenes: “Nas Escrituras, com o rosto descoberto, contemplamos a glória do Senhor”.


Tua Palavra é vida para a minha vida - II

A Escritura é o livro da contemplação de Deus, é o “lugar” por excelência de oração, pois aí Deus fala e se manifesta pessoalmente a mim, coração a coração! Não basta que estejamos convencidos que Deus falou no passado; é necessário fazer um profundo ato de fé que Deus continua falando, fala no presente, que ele me fala: Deus falou, Deus fala, Deus me fala; dirige-se a mim pessoalmente, aqui e agora, dirigindo-me uma mensagem pessoal e única que enche de novo sentido e luz o meu cotidiano, por mais banal que pareça ser! Já o santo Papa Gregório Magno ensinava: “Deus não responde ao coração de cada um por revelações particulares, porque preparou uma palavra que pode solucionar todos os problemas. Na Palavra de sua Escritura, com efeito, se soubermos procurar, encontraremos resposta para cada uma de nossas necessidades... Deus recolheu na Escritura Santa tudo o que pode suceder a cada um de nós e nos deu por modelo os exemplos dos que nos precederam”. E São Bento, Pai dos monges cenobitas, exortava seus filhos: “Tendo nossos olhos abertos à luz de Deus, escutemos atentos o que diariamente nos admoesta a voz divina que clama!”

Por isso mesmo, como ensinava o reformador dos camaldolenses, Paulo Giustiniani: “O monge deve aproximar-se da Palavra, não para entreter-se, nem para estudar, mas como se subisse ao Altar de Deus, com grandes preparativos de alma e de corpo, com profundíssimo respeito”.

É claro que Deus não está aprisionado na Bíblia nem a Bíblia é o único modo de Deus nos falar! Ele é um Deus vivo que fala ora na Escritura, ora por uma inspiração interior... mas a norma de toda inspiração e de toda oração é a Bíblia!

Aqui, duas observações: 1) a lectio não é leitura espiritual. Esta pode ser feita com um piedoso livro escrito por homens piedosos; aquela é feita unicamente com a Palavra de Deus! 2) A própria oração mental e a adoração cotidiana ao Santíssimo Sacramento devem estar relacionadas com a lectio: o que Deus me falou na sua Palavra deve ser motivo de meditação e de resposta adorante!



Tua Palavra é vida para a minha vida - III


Recordemos brevemente os passos da lectio divina: (a) a lectio (leitura atenta e fiel, calma e amorosa do texto bíblico); (b) a meditatio (não significa que eu medito racionalmente, cerebralmente, sobre a Palavra, mas que a deixo entrar afetivamente no meu coração: vou saboreando-a, repetindo-a, deixando que ela se aposse de mim... vou descobrindo o coração de Deus na Palavra de Deus!) (c) a oratio (naturalmente, a meditatio torna-se oratio: aquele estar gozoso diante do Senhor, aquele saborear o Senhor em nosso coração, aquele arder de amor diante do Senhor). (d) a contemplatio (aqui Deus conduz a alma ao puro silêncio, sem palavras ou imagens, sem pensamentos ou sentimentos. É como se a alma se tornasse uma só com Deus, numa união de amor transformante). É bom deixar claro que podemos exercitar os três primeiros momentos. O último, é pura iniciativa de Deus!

Podemos nos perguntar: para que a lectio? Simplesmente para encontrar Deus na sua Palavra, que é Jesus! Não é para sabermos mais, não é para sermos melhores e mais santos... É, simplesmente, por uma questão de amor: estar com Deus, freqüentar o seu coração! A Sagrada Escritura não nos quer dizer o que devemos fazer e sim, o que somos, isto é, qual é o mistério da nossa vida. Assim, ler a Escritura significa, antes de tudo, encontrar o Deus que me convoca, que se dirige a mim na Palavra e que me abre o seu coração e, no encontro com Deus, encontrar o mistério da minha própria vida e do meu próprio eu, descobrindo o sentido da existência à luz do coração do Senhor! Pensemos bem que riqueza, que honra, que segurança, que plenitude, viver alicerçados na Palavra do Senhor, na sua santa vontade, na sua infinita sabedoria! “Bem-aventurados somos nós, ó Israel, pois aquilo que agrada a Deus a nós foi revelado!” (Br 4,4)


Tua Palavra é vida para a minha vida - IV

Uma última observação. Esta Palavra certamente vai nos colocar em crise: “Eu lhes dei a tua Palavra, mas o mundo os odiou, porque não são do mundo, como eu não sou do mundo” (Jo 17,14). Isto porque freqüentar a Escritura é como lutar com a Palavra de Deus, é colocar em crise aquilo que em mim é mundano e, portanto, alheio a Deus. Se não compreendo a Palavra, se meu coração a sente distante e a escuta com fria indiferença, é porque eu mesmo não me compreendo adequadamente! A luta com a Palavra me conduz ao encontro de Deus e, portanto, a um novo encontro comigo mesmo. De repente, Deus e a minha própria existência saltam claramente aos meus olhos! Na medida em que compreendo a Palavra de Deus, compreendo a mim mesmo de um modo todo novo! Já Santo Agostinho nos advertia: “A Palavra de Deus se opõe à tua vontade enquanto não se tornar artífice de tua salvação. Na medida em que tu mesmo fores o teu inimigo, também a Palavra de Deus o será. Torna-te amigo de ti mesmo e também a Palavra de Deus estará em harmonia contigo”.

Escutar a Palavra exige, portanto, que nos abramos a ela, arrancando do nosso coração tudo aquilo que é mundano, que é contrário à vontade de Deus a nosso respeito. Somente com esta sinceridade e seriedade diante da Palavra, a lectio será verdadeira e eficaz! Não esqueçamos que a Palavra nos julga: “Em verdade, em verdade, vos digo: quem escuta a minha Palavra e crê naquele que me enviou tem a vida eterna e não vem a julgamento, mas passou da morte para a vida” (Jo 5,24); “Por que não reconheceis minha linguagem? É porque não podeis escutar minha Palavra!” (Jo 8,43); “Quem me rejeita e não acolhe minhas palavras tem seu juiz: a Palavra que proferi é que o julgará no último dia” (Jo 12,47).

O Pe. Antônio Vieira, com razão, advertia: “A Palavra de Deus é tão fecunda, que nos bons faz muito fruto, e é tão eficaz que nos maus, ainda que não faça fruto, faz efeito!” No caso, efeito de morte, pois mata Deus em nós, silencia sua voz salvadora no nosso coração!

Dom Henrique Soares, Bispo da Acúfida, em: http://costa_hs.blog.uol.com.br/

quarta-feira, 10 de novembro de 2010

UMA VIDA, UMA IDEOLOGIA

Nos últimos anos, temos visto como a descaracterização da palavra tem sido tomada como correta. A palavra dada já não assevera absolutamente qualquer coisa.

O receio de ofender e a nova onda do "politicamente correto" tem feito com que os homens não empenhem honestidade no que dizem, preferindo os "talvez", os "é possível" ou os "pode ser" ou os "cada um com sua sentença" ou "faça o seu que eu faço o meu".

O receio virou medo. Medo de ser "indelicado", ofender ou ser "preconceituoso" tem feito com que os "Princípios" fossem relegados ao ermo, porque hoje em dia "tudo é relativo"!

Falar em Princípios tornou-se quase anti-ético, porque pode ofender; mas a própria Ética vem dos Princípios que a norteia.

Calam-se os Princípios, amarra-se a Ética, cala-se a voz, morre a Palavra. Tudo em nada.

Há os que trocam os Princípios da Ética por uma "etiqueta", isso mesmo, "etiqueta". Preferem ser simpáticos, numa empatia pífia, ilusória e enganadora a serem "anti-etiquetas". É: "anti-etiqueta", não anti-éticos.

Queremos o jeito fácil, do prazer imediato, o sanativo, não o curativo. Queremos vantagens; queremos encantar, ser aplaudidos; tememos impopularidade, porque podemos perder "negócios" ou parcerias. Puro mercantilismo relacionamental. Tudo em nada.

Como não tem vergonha os que se consideram simpáticos e aliados os que sorriem mais...

Diz-me sempre o meu velho pai, o senhor Inacio de Taquarana, nos seus 78 anos de vida: - "Meu filho, o mau do sabido é pensar que todo mundo é besta". Verdade!

Chegam de mansinho, com retórica farta de sinônimos, bajulações e temas que só interessam ao interlocutor em questão: venenos saborosos.

Preferem parecer gentis a corrigirem qualquer conduta adversa aos Princípios ora idos.

Que resta a um homem sem Princípios?

"Que vale ao homem ganhar o mundo inteiro e perder sua alma?" (cf. Mc 8,36)

Ensinou-me tantas vezes o então reitor da Igreja de Nossa Senhora do Livramento, Padre Henrique Soares: "Meu filho, um homem tem que honrar as calças que veste". Verdade.

Já o culto Paulo de Tarso disse aos efésios que não fossem incoerentes naquilo que tinham como Princípios e tivessem a coragem de falar abertamente suas opiniões. (cf. Ef 5,11). Semelhantemente o Filho de Deus nos ensinou que devemos dizer sim, quando for sim; e não, quando for não (cf. Mt 5,37), arrematando que se não fosse pra falar a Verdade, o que fosse falado seria da parte do maligno.

+ + +

Finalizo esta reflexão com este trecho do Salmo 93:

Até quando, Senhor, triunfarão os ímpios?
Até quando se desmandarão em discursos arrogantes, e jactanciosos estarão esses obreiros do mal?
Eles esmagam o povo, Senhor, e oprimem Vossa herança.
O Senhor conhece os pensamentos dos homens, e sabe que são vãos.
Feliz o homem a quem ensinais, Senhor, e instruís em Vossa Lei,
para lhe dar a paz no dia do infortúnio, enquanto uma cova se abre para o ímpio,
porque o Senhor não rejeitará o seu povo, e não há de abandonar a sua herança
Quando em meu coração se multiplicam as angústias, vossas consolações alegram a minha alma.
Acaso poderá aliar-se a Vós um tribunal iníquo, que pratica vexames sob a aparência de lei?
Atentam contra a alma do justo, e condenam o sangue inocente.
Mas o Senhor certamente será o meu refúgio, e meu Deus o rochedo em que me abrigo.

+ + +

Que vossa sabedoria me dirija,
Vossa justiça me contenha,
Vossa clemência me console,
Vosso poder me proteja

Tornai-me, Senhor, prudente nas decisões,
corajoso nos perigos
paciente nas adversidades
e humilde na prosperidade.

quinta-feira, 4 de novembro de 2010

INIMIGOS DO EVANGELHO

Por Padre Valmir Galdino, resp. do Setor Juventude da Arquidiocese de Maceió

Nos últimos tempos eclodiram muitas denominações religiosas. Somos quotidianamente bombardeados por propostas atraentes, e por que não dizer ultramiraculosas, que nos vem através, por intermédio dos meios de comunicação. Eles ocupam um singular ambiente para a divulgação e propagação da “fé”.

São anunciadas curas extraordinárias que nem mesmo Jesus, o do evangelho, realizou. Curas espantosas e sensacionais, para não dizer sensacionalistas. São verdeiros “shows da fé”. Espetáculos em nome de um evangelho chocho, sem graça, sem vida nem referencial. Um evangelho mascarado, anestesiado e troncho, algo torto, mal-acabado, mal-feito, tosco.

Impressiona-nos o “profissionalismo” dos ditos pastores. Homens de pouca cultura adestrados para enganar, para falar de um Jesus imaginário, fazedor de milagres, um milagreiro cínico e barato. Mas que cobra caro para a concretização de tais milagres. Cobra a carteira inteira, com cédulas e até mesmo poucas moedas.

Em que tempo estamos mergulhados, pois quando observamos as pregações vemos que são vazias de conteúdo, são apenas repetições mal elaboradas de versículos. São pregações que nunca conduzem à prática de uma corresponsabilidade fraternidade, de uma vivência do amor, aquele pregado por Jesus, o Filho de Deus, o da Cruz.

Elas, as pregações, conduzem a todo momento ao que costumamos chamar de teologia da prosperidade, não ao seguimento de Jesus, caminho, verdade e vida. As ditas “pregações” anunciam “milagres” que significam muitos bens: casas, ou melhor, mansões, carros de luxo, muito, mais muito dinheiro no banco, nos cofres. Uma infinidades de coisas, ou seja, bens materias que sofrerão a ferrugem e a traça.

Por conseguinte, nossas avenidas perderam a beleza de edifícios magnânimos, verdadeiras obras de arte. Cederam, que pena, seus espaços para longas fachadas que estampam bem claro o nome e, sobretudo, o rosto dos fundadores (apóstolos, bispos, pastores) das instituições ditas evangelhélicas. São homens trajando ternos e gravatas, mulheres bem vestidas que enfeiam a paisagem das ruas e avenidas das cidades. Tais apóstolos, bispos e pastores, por meio de fotos, imagens bem elaboradas são os sicerones da “fé”, os obreiros do senhor, tutores e fazedores de milagres.

É lamentável, profundamente lamentável perceber que o Evangelho, boa notícia de salvação de Jesus para nós, transformou-se em meio de vida. Virou motivo de escândalo no sentido bem pejorativo mesmo da palavra. É lastimável notar que muitos são atraídos para a ísca, para o engano dos que se intitulam pastores de Jesus.

Quanta farsa, quanto engano. Até quando teremos que conviver com estes lôbos vestidos de ovelhas. Enganadores do povo sofrido, marcado pela dor, pelas adversidades da vida. Que venha, venha mesmo, o Senhor em nosso socorro. Que o Evangelho do nosso Senhor e Salvador penetre as nossas vidas e almas, para não cairmos nas armadilhas dos filhos das trevas e nunca da luz.

(do site: http://www.arquidiocesedemaceio.org.br/blogs/pe-valmir-juventude/58/inimigos-do-evangelho)

domingo, 31 de outubro de 2010

MAIS PROVOCAÇÕES NO ORKUT

O mesmo jovem da scrap anterior no orkut, deixou-me outros:

"OK! Dilma e téo já estão no governo"

e:

"A igreja se mete em tudo,mais os problemes que nela existe ela ñ consegue resolver.Foi por isso queo pastor adventista falou:O PAPA DEPOIS DE VELHO ESTÁ LEVANDO NA CARA!pOR QUE? POR QUE ELE GOSTA "

Então respondi ao jovem:


Meu caro irmão, a Igreja não se mete, a Igreja é a Instituição formada por homens pecadores e corajosos que lutam contra si mesmos (seus vícios, defeitos e manias); a Instituição que zela por tudo aquilo que o Senhor lhe depositou - a ela confiou.

Se a Igreja ficar calada com os planos daqueles que desejam matar, a Igreja seria hipócrita.

A Igreja, ao longo destes 2.000 anos, tem sido a guardiã do Evangelho e se dedicado a curar as feridas, socorrer os perdidos, acolher os pobres. Eu sou testemunha da bondade divina por meio da Igreja.

Sobre os problemas "que nela (Igreja) existem", como vc disse, pense comigo: na sua casa tudo é perfeito? Ou tem coisas que não são exatamente como deveria ser? Alguém na sua casa já descumpriu o que fora prometido? Na sua família alguém dá trabalho por causa de compartamento?

Se, para todas as perguntas feitas a sua resposta for "não", louve ao Senhor pela Graça; mas se "sim", a sua família é igual a minha.

Se na nossa casa, com parentes de sangue, há erros, mentiras, promessas não cumpridas, que dizer de uma Casa (Igreja) que tem gente de várias famílias?

Irmão, eu já fui extremamente contundente contra tudo que errado "no outro"; hoje, busco mais aprender a amar e corrigir os meus próprios dilemas pessoais, para que minha vida seja de acordo com aquilo que digo ser virtuoso, que traz felicidade e a Salvação.

Sobre o pastor da adventista, eu acredito naquilo que ele possa falar de testemunho de Deus na vida dele, não ele comentando como um protestante que vive como um ladrão, que entra pela janela e engana as ovelhas.

O Papa sofre, porque ele não se esconde com doutrinas forasteiras, enganosas e dissimuladas, ele realmente fica de pé.

"Eu sou a porta. Se alguém entrar por mim será salvo; tanto entrará como sairá e encontrará pastagem. O ladrão não vem senão para furtar, matar e destruir. Eu vim para que as ovelhas tenham vida e para que a tenham em abundância. Eu sou o bom pastor. O bom pastor expõe a sua vida pelas ovelhas. O mercenário, porém, que não é pastor, a quem não pertencem as ovelhas, quando vê que o lobo vem vindo, abandona as ovelhas e foge; o lobo rouba e dispersa as ovelhas."
(João 10,9-12)


"Guardai-vos dos falsos profetas. Eles vêm a vós disfarçados de ovelhas, mas por dentro são lobos arrebatadores".
(Mateus 7,15)


"Espada, levanta-te contra o meu pastor, (contra o meu companheiro - oráculo do Senhor dos exércitos). Fere o pastor, que as ovelhas sejam dispersas: Voltarei a minha mão até mesmo contra os pequenos."
(Zacarias 13,7; Mateus 26,31; Marcos 14,27)

Ah, antes que eu me esqueça: nem a candidata está eleita nem reeleito Téo - apesar de eu e minha esposa termos votado 45 (duplamente!) .

SALVE MARIA IMACULADA!

sábado, 30 de outubro de 2010

UM COMENTÁRIO NO ORKUT

Repasso o que um jovem me deixou página de recados em meu perfil no Orkut.

Ele escreveu:

"Eudes,Dilma está na frente graças a Deus!Ela já é a presidente do Brasil.Com o apoio do Presidente atual o (lula).O serra é = o lessa.Nos debates Dilma sempre está calma.Serra todo mundo diz que não ver nele segurança.
Isso chama-se preconcito coisa que a IGREJA CATÓLICA SEMPRE TEVE "


Então, respondi:


1° Não creio que a sua candidata vencerá;
2° O presidente do Brasil será conhecido na noite domingo, espero;
3° Não sei com que óculos vc viu Serra = Lessa, (sic!) astigmatismo vc tem?;
4° A sua candidata calma? Em que debate? Para mim, ela é "um pegadora de ar", ou seja, desestruturada para dialogar nas divergências;
5° Quem não vê segurança em Serra é porque não conhece a Política, porque não conseguimos ver coisa alguma nos candidatos, mas devemos crer em suas propostas, índole e "companhias";
6° A Igreja de Cristo, CATÓLICA APOSTÓLICA ROMANA, é fundamentada no Verbo, que existe antes de todos os séculos e por Ele, com Ele e para Ele todas as coisas foram feitas. A IGREJA tem a Verdade que é o mesmo Verbo e, assim como o Verbo não mudou, nem a Verdade, manter-se fiel ao Verbo torna a Igreja em Instituição de Princípios, fundamentos.

Se vc chama "preconceito" aos Princípios que a IGREJA DE CRISTO tem e neles se mantém, então a Igreja é preconceituosa.

De antemão lhe digo: Princípios não é preconceito.

Irmão, a falta de coerência num homem é sinal claro de homem sem princípios. A ausência de princípios revela a falta de disposição para se viver em comunidade.

Lembremos que Jesus Cristo nunca "pegou leve" com aqueles que tortuavam a vontade de Deus. E, quando Cristo se viu preso, mesmo injustamente, não saiu culpando o mundo por não Lhe haver dado o respeito; Cristo amou, perdoou e recomendou seus algozes ao Pai.

Até hoje, irmão, luto contra mim mesmo para seguir o CAMINHO, a VERDADE e a VIDA. E tudo isso faço sem pegar em um centímetro de certeza ou matéria. Apenas confio, espero e agradeço. Quando não entendo, baixo a cabeça e peço que o Senhor seja tudo em mim, pois não sou Deus para ousar dizer algo além daquilo que o Próprio Deus já disse.

Espero no Senhor... e Ele vem e me conforta.

Com tudo isso dito, lembremos do que nos ensina a Bíblia, instrumento que os primeiros bispos cristãos católicos nos deixaram como ensinamento:

"Acima de tudo, recomendo que se façam preces, orações, súplicas, ações de graças por todos os homens, pelos reis e por todos os que estão constituídos em autoridade, para que possamos viver uma vida calma e tranqüila, com toda a piedade e honestidade. Isto é bom e agradável diante de Deus, nosso Salvador, o qual deseja que todos os homens se salvem e cheguem ao conhecimento da verdade."
(1 Tim 2,1-4)

Qualquer que seja o vencedor da eleição, a Igreja rezará por ele. Isso é certeza.



SALVE MARIA IMACULADA!


+ + +

Continuo dizendo que a candidata do partido abortista perderá. O que afirmo desde antes do 1º turno.

sexta-feira, 29 de outubro de 2010

ASSASSINATOS DE MORADORES DE RUA

O Arcebispo de Maceió, comovido diante das inúmeras mortes dos moradores de rua sente a responsabilidade de declarar o que se segue:

É do conhecimento público que 30 (trinta) moradores de rua foram assassinados este ano em Alagoas – 29 (vinte e nove) em Maceió e 1 (um) em Arapiraca – e que até agora as investigações não deram nenhum resultado. A Arquidiocese de Maceió não pode deixar de erguer sua voz e denunciar energicamente esta situação.

A Igreja acompanha este longo e doloroso calvário de nossos irmãos e irmãs que vivem nas ruas. Inúmeras vezes, de forma pública e privada, dirigindo-se às autoridades sem obter resposta.

A Igreja Católica ergue sua voz porque se sente ferida em sua missão de proteger a dignidade humana que considera sagrada, porque procede de Deus, sua Testemunha e Juiz.

Consterna-se, ademais, por essa forma de extermínio que sofrem os povos da rua, o que é uma ofensa à sensibilidade dos que amam este Estado e desejam caminhos de respeito e justiça que conduzam a uma convivência fraterna. Essas mortes, lamentavelmente, contribuem para deteriorar a imagem de Alagoas diante do país e do mundo.

Estas mortes nos devem fazer tomar consciência de tantas violações, agressões e ameaças que os moradores de rua sofrem. Com que freqüência se ofende a dignidade humana! Todo ser humano é filho de Deus. E nenhuma organização, nenhuma pessoa tem o direito de perseguir, maltratar, violentar ou matar alguém.

Partilhando da dor destes irmãos que vivem e sobrevivem nas ruas, pedimos:
1. Que em nome de Deus respeitem a vida e a integridade física de nossos irmãos moradores de rua.
2. Que as autoridades, encarregadas de velar eficazmente pela segurança das pessoas e do bem comum, que investiguem com seriedade estes fatos tão dolorosos, evitando que os autores permaneçam na mais absoluta impunidade.
3. Que os católicos de nossa Arquidiocese e as pessoas de boa vontade contribuam, com suas atitudes, a criar um clima de verdadeira fraternidade e de efetiva justiça, pois acreditamos que ainda é tempo de reiniciar um novo caminho rumo à convivência social justa e fraterna e rumo à paz que todos nós almejamos.

Exortamos todos a defender a vida. A fé em Jesus Cristo nos impele a criar com nosso esforço, nossa união e nossa capacidade de luta, condições de vida em que o respeito, a participação e a justiça sejam algo mais do que palavras. A VIDA É UM DOM DE DEUS. DEVEMOS DEFENDÊ-LA!

Maceió, 28 de outubro de 2010

Dom Antônio Muniz Fernandes, O.Carm
Arcebispo Metropolitano de Maceió

Escute em Interatividade - a nota na voz de D. Antônio Muniz Fernandes:
http://www.arquidiocesedemaceio.org.br/interatividade/audios

quinta-feira, 28 de outubro de 2010

Aborto é falsa e ilusória defesa de direitos humanos


O Papa expressou uma firme condenação às estratégias políticas que tentam apresentar o aborto como direito humano.
"Seria totalmente falsa e ilusória qualquer defesa dos direitos humanos políticos, econômicos e sociais que não compreendesse a enérgica defesa do direito à vida desde a concepção até a morte natural. [...] Quando os projetos políticos contemplam, aberta ou veladamente, a descriminalização do aborto ou da eutanásia, o ideal democrático é atraiçoado nas suas bases".
A indicação do Papa está inserida na temática central do discurso, que girou em torno da missão da Igreja de fermentar a sociedade com o Evangelho, através do qual "ensina ao homem a sua dignidade de filho de Deus e a sua vocação à união com todos os homens, das quais decorrem as exigências da justiça e da paz social, conforme à sabedoria divina", afirmou.

Portanto, seria totalmente falsa e ilusória qualquer defesa dos direitos humanos políticos, econômicos e sociais que não compreendesse a enérgica defesa do direito à vida desde a concepção até a morte natural (cf. Christifideles laici, 38). Além disso, no quadro do empenho pelos mais fracos e os mais indefesos, quem é mais inerme que um nascituro ou um doente em estado vegetativo ou terminal? Quando os projetos políticos contemplam, aberta ou veladamente, a descriminalização do aborto ou da eutanásia, o ideal democrático – que só é verdadeiramente tal quando reconhece e tutela a dignidade de toda a pessoa humana – é atraiçoado nas suas bases (cf. Evangelium vitæ, 74). Portanto, caros Irmãos no episcopado, ao defender a vida "não devemos temer a oposição e a impopularidade, recusando qualquer compromisso e ambiguidade que nos conformem com a mentalidade deste mundo" (ibidem, 82).

Além disso, para melhor ajudar os leigos a viverem o seu empenho cristão e sócio-político de um modo unitário e coerente, é "necessária — como vos disse em Aparecida — uma catequese social e uma adequada formação na doutrina social da Igreja, sendo muito útil para isso o 'Compêndio da Doutrina Social da Igreja'" (Discurso inaugural da V Conferência Geral do Episcopado Latino-Americano e do Caribe, 3). Isto significa também que, em determinadas ocasiões, os pastores devem mesmo lembrar a todos os cidadãos o direito, que é também um dever, de usar livremente o próprio voto para a promoção do bem comum (cf. GS, 75).




fonte: http://noticias.cancaonova.com/noticia.php?id=278519

quarta-feira, 20 de outubro de 2010

CRISTÃO NÃO SE OMITE

Padre Paulo Ricardo sai em Defesa da Vida, contra o aborto.

Revela as maquinações dos inimigos dos cristãos.

* clique na foto abaixo *



E a parte 2:


* Clique na foto abaixo *




+ + +
Eudes Inacio, sJpVM

segunda-feira, 18 de outubro de 2010

O CATÓLICO E O ABORTO.

A prática do abortamento: legalização de um crime contra a humanidade


O aborto tornou-se o tema desta eleição presidencial. Graças a Deus! Que ninguém diga que é um tema sem importância; que ninguém afirme que é menos importante do que o tema das políticas públicas! O tema deve ser discutido e os candidatos têm obrigação de se posicionarem, para que os eleitores saibam em quem e em que projetos estão apostando. No tocante a um tema tão urgente como este, eis algumas afirmações a serem ponderadas por todos nós, cristãos e por todas as pessoas de boa vontade:

(1) O abortamento é assassinato, que revela desprezo pela vida humana. Que alguém de bom senso e um pouquinho só de sensibilidade diga: quando é que uma vida se torna humana? Alguém tem o metro, a medida, o cronômetro? Ou uma vida é humana desde sua origem e merece ser respeitada e tutelada ou a questão de quem é ou não é humano ficará ao critério da nossa arbitrariedade. “Senhor, tu formaste meus rins, tu me teceste no seio materno. Teus olhos viam o meu embrião” (Sl 139/138)

(2) Abortar ou não, não diz respeito à liberdade da mulher. O embrião não é um órgão da mãe. É uma outra vida humana, com carga genética própria, um ser que inicia sua vida e sua história. O fato de depender da mãe para sobreviver não significa que não seja uma vida genuinamente pessoal. Quando uma criança deixa de depender de sua mãe? O embrião está na mulher, mas não é parte da mulher.

(3) Só um feminismo transviado e depravado pode defender o aborto. Um feminismo sadio, de mulheres realmente femininas, é consciente que gerar e proteger a vida é uma das características mais belas e dignas do ser mulher e da própria humanidade. O abortamento embrutece e denigre o feminino. Nem as fêmeas irracionais o praticam!

(4) Não vale apelar para a liberdade para defender o direito de abortamento. A verdadeira liberdade consiste não simplesmente em fazer o que quer, mas em querer sempre o bem. Quem pratica ou defende o abortamento é escravo da própria cegueira e do embrutecimento da consciência.

(5) Não vale também simplesmente apelar para a consciência, pois esta deve ser educada. Quem escuta o seu próprio coração e aquela voz que fala no mais profundo de todo ser humano, jamais defende o assassinato de uma vida indefesa. É da natureza humana querer o bem e a vida. Uma consciência educada e cultivada jamais justificará o abortamento. Ora, diante de Deus e de si mesmo, toda pessoa tem o dever de tornar sua consciência vigilante e sensível aos verdadeiros valores. Quem defende a possibilidade do abortamento certamente embruteceu a consciência. É como um matador profissional ou um ladrão contumaz: eles não têm drama de consciência; já a sufocaram!

(6) Na verdade, a defesa do aborto é a negação de Deus. Nossa sociedade atéia e superficial considera que o homem é a medida de todas as coisas: não há Deus, não há Verdade, não há uma Norma eterna que seja critério último do bem e do mal, do certo e do errado. Cada um é a Lei e a Norma de si mesmo. Triste sintoma de uma civilização que vai perdendo seus valores e sua razão de ser. É a primeira e radical tentação do homem: ser como Deus, senhor do bem e do mal.

(7) A Igreja e outras instituições decentes não podem se calar. Trata-se aqui da defesa de vidas que nem sequer podem ainda falar ou chorar para defender-se. O abortamento desmoraliza toda uma sociedade e nos faz a todos cúmplices. Eis que beleza: somos capazes de gastar dinheiro com a preservação do peixe-boi e do mico leão dourado; mas permitimos placidamente o assassinato de seres humanos.

(8) Eis a doutrina da Igreja: A vida humana deve ser respeitada “porque é sagrada. Desde o seu início ela comporta a ação criadora de Deus e permanece para sempre numa relação especial com o criador, seu único fim. A ninguém é lícito destruir diretamente um ser humano inocente, sendo isso gravemente contrário à dignidade da pessoa e à santidade do Criador: ‘Não mates o inocente nem o justo’ (Ex 33,7)” (Compêndio do Catecismo da Igreja católica, 466).

(9) Os católicos têm a obrigação moral de saber quais políticos defendem a prática abortiva e negar-lhes o voto de modo absoluto. Votar em quem pretende aprovar o aborto ou num presidente que sancione a lei assassina é ser cúmplice. Resta-nos, portanto, esperar as ideias claras de cada candidato e que cumpram o que disserem!

(Dom Henrique Soares, Bispo de Aracaju em: http://costa_hs.blog.uol.com.br)



quinta-feira, 14 de outubro de 2010

ALBERTO DINES X CRISTIANISMO

Visitando sites esta manhã, fui até o "Observatório da Imprensa", onde o senhor Alberto Dines, repórter, destila sua malícia contra os cristão, contra a Igreja, alegando que o debate do aborto é um "Um Debate Farisaico" e um "Debate fora de lugar", mas não é só isso, ele destila absurdos dizendo que queremos instalar uma Teocracia, semidemocrática e vivermos num estado clerical.

Deixei os seguintes comentários aos dois temas:

Teocracia cega?

Vivemos num Estado que queria calar a imprensa com PNDH 3 e vocês acham isso correto?

Esse monte de jornalistasinhos medíocres que são mal-afortunados que defendem "ismos" sem se queixar que haja falcatruas, ingerências, desmandos e desmantelamentos dos Princípios quais foi gerada esta Nação.

Sem-vergonhas, fascínoras que seduzem e se acham "maiorais" da comunicação e da liberdade de expressão e vivem se escondendo com palavras retrucadas e cheias de sinônimos...

Eu sou cristão católico apostólico romano.

Incoerente é quem nega sua posição, é um hipócrita, não tem Princípios. E não ter Princípios não ser liberal, é ser IMORAL, sem Moral.

E outro:

O debate sobre o aborto não é despropositado. O Estado é laico, mas a nação não é sem-credo. Quando o assunto é Economia, um levante de economistas se levantam e são consultados, não vejo este alvoroço todo. Agora, por se tratar de assunto de Fé, é pior que qualquer outro? Deve-se silenciar? Calar-se não é honesto. Esta Nação já calou e se cala e as leis vão acontecendo contra ela mesma.
Não se trata de Igreja, mas da Moral, da Fé, de Princípios, e tudo isso é constitutivo de uma Nação que tem identidade.

A falta de coerência é um sinal claro de ausência de princípios.
Se não professam Fé Cristã, direito seu. Mas não se pode negar aos cristãos o direito de defenderem seus valores.

Ora, não estamos num Estado de Direito? Os cristãos, que são maioria nesta Nação, não têm o direito de reivindicar?

Muitos destes comentários contra os cristãos são hipócritas, e têm direito de manifesto...

Ah, e não é república clerocrata, nem semirepública... mas pode ser essa porcalhada que esta aí com Collor, Maluf, ou ainda Lula parceiro de Chaves e Fidel? É isso que representa o povo?

Fogueira é que é feito com nossos direitos à saúde, educação e à terra.

Muitos "doutos" da imprensa defendem seus "ismos" e se acham os melhores. (kkk) São piadistas, bobos, loucos ensandecidos atrás de uma ideologia que já são comprovadamente assassinas.

Amor e a Vida são minhas causas ideológicas.

*********************

Se não estiverem lá, minhas postagens, é sinal que são piores do que penso. Gostam do espaço midiático e da liberdade, mas não admitem a liberdade de discordar minha.

É que temos, caros leitores, muitos jornalistasinhos medíocres mesmo!

Se julgam sábios e não passam de ególatras.

Confiram:

http://www.observatoriodaimprensa.com.br/artigos.asp?msg=ok&cod=611JDB001&#c

http://www.observatoriodaimprensa.com.br/artigos.asp?cod=610JDB025

terça-feira, 12 de outubro de 2010

HOMOSSEXUALISMO e a IGREJA

Hoje à tarde, quando exercendo minha função catequética batismal, eu falava das atribuições e responsabilidades dos pais quando, um dos que lá estavam - portando uma bíblia protestante na mão - me perguntou sobre minha posição dinte os homossexuais e qual a postura da Igreja. Fui-lhe direto e disse que minha posição é igual a postura da Igreja, ou seja, bíblica e de caridade.

Para a Ciência, no que diz respeito à origem (se assim podemos dizer) ou causa, não há concenso sobre a homossexualidade. Contudo, disse-lhe eu, que acredito nas seguintes convicções:

- Não acredito em hereditariedade (genética) para ser um homossexual.

- Cabe ao homem e à mulher ensinarem, sendo como são, a seus filhos, mostrando quem é quem e quais atribuições de cada um - pois Deus criou o homem e a mulher; a mulher e o Deus os criou - não há equívoco nisso.

Três fatores para que um menino não consiga desempenhar corretamente sua ação como homem, enquanto se desenvolve:

1- Pai perverso e malvado, que maltrata a todos que vivem em sua casa, agride fisicamente à mulher e humilha a todos:
- O filho, vendo este modelo de homem, odeia-o, repudia-lhe e em nada quer assemelhar-se a este tipo de ser. Fraterniza-se à mulher, é-lhe cúmplice por ser, como ela, hostilizado - daí a identificação, deveras danosa à sua afirmação como um heterossexual.

2- Pai de saia, mãe de calças. Um pai que não consegue se firmar como homem em seu vigor, delegando todas as funções de cuidado à mulher. O homem é um fraco, preguiçoso e submisso:
- O filho, vendo este modelo de homem fraco, submisso e omisso, idenfica-se com a mulher, que é chefe, que tem comando e não é omissa. Quanto ao modelo de homem que leva grito e só cumpre seus deveres após ser xingado, o menino não quer ser.

3- Pai e mãe castradores que levam a vida a dizer que os órgão genitais são sujos, pecaminosos, indecentes... errado manusear.
- O filho, pensando ser impura, suja, pecaminosa uma parte de seu corpo, reprime-se a não usar e coibir qualquer forma de pensamento a respeito, qual pode alterar o natural desenvolvimento dos hormônios masculinos, transtornando-o a saídas não condizentes com o plano de Deus a um homem.

Essas três proposições não são um tratado científico.

Porquanto a Misericórdia de Deus alcança os mais longínquos e tenebrosos confins de nossos desejos, aflições; no mais profundo da alma humana. Nunca desconfio da Misercórdia Divina.

Claro que, em uma família cristã, que respeita os valores evangélicos e morais, onde a Lei do Amor é a lei maior, as possibilidades de um crescimento familiar normal (homem é homem e mulher é mulher), os filhos têm maior chance de serem decentes e ordeiros.

Quanto aos que já são homossexuais, não os pervertidos que praticam sexo como uma desordenança psico-fisiológica, nossa Igreja, logo, eu também, creio no que está escrito na Sagrada Escritura:

Que os impuros e os efeminados não hão de possuir o Reino de Deus. E que nosso corpo não nos pertence, mas a Deus, que se une a ele, mas se pecamos, pecamos contra nosso corpo. (cf. 1 Cor 6,9-20; Gl 5,19-21)

Que aqueles que dão cabimento aos desejos impuros e aos prazeres da carne, desrespeitando à autoridade do ensinamento da Igreja, serão severamente castigados. (cf. 2 Pe 2,1-22)

Contudo, àquele que quiser se salvaguardar por causa de Cristo, quanto maiores forem seus pecados, maior será a graça da Misericórdia. (Rm 5,20)

E é benéfico quem quiser ficar casto, eunuco, não dar cabimento à sua dificuldade, por causa do Reino e do Amor Divino. (cf. Mt 19,12)


Como essa tendência, outras crescem entre os homens e dentro do homem.

A Igreja acolhe a todos, e a todos ama e respeita, com este ou aquele pecado, pois o Amor dado por Cristo por meio do Seu Espírito Santo é de graça e de graça deve ser dado. Assim a Igreja o faz.

Lembremos do que nos ensinou o Senhor em Mateus 13:

24. Jesus propôs-lhes outra parábola: O Reino dos céus é semelhante a um homem que tinha semeado boa semente em seu campo. 25. Na hora, porém, em que os homens repousavam, veio o seu inimigo, semeou joio no meio do trigo e partiu. 26. O trigo cresceu e deu fruto, mas apareceu também o joio. 27. Os servidores do pai de família vieram e disseram-lhe: - Senhor, não semeaste bom trigo em teu campo? Donde vem, pois, o joio? 28. Disse-lhes ele: - Foi um inimigo que fez isto! Replicaram-lhe: - Queres que vamos e o arranquemos? 29. - Não, disse ele; arrancando o joio, arriscais a tirar também o trigo. 30. Deixai-os crescer juntos até a colheita. No tempo da colheita, direi aos ceifadores: arrancai primeiro o joio e atai-o em feixes para o queimar. Recolhei depois o trigo no meu celeiro. 31. Em seguida, propôs-lhes outra parábola: O Reino dos céus é comparado a um grão de mostarda que um homem toma e semeia em seu campo. 32. É esta a menor de todas as sementes, mas, quando cresce, torna-se um arbusto maior que todas as hortaliças, de sorte que os pássaros vêm aninhar-se em seus ramos. 33. Disse-lhes, por fim, esta outra parábola. O Reino dos céus é comparado ao fermento que uma mulher toma e mistura em três medidas de farinha e que faz fermentar toda a massa. 34. Tudo isto disse Jesus à multidão em forma de parábola. De outro modo não lhe falava, 35. para que se cumprisse a profecia: Abrirei a boca para ensinar em parábolas; revelarei coisas ocultas desde a criação (Sl 77,2). 36. Então despediu a multidão. Em seguida, entrou de novo na casa e seus discípulos agruparam-se ao redor dele para perguntar-lhe: Explica-nos a parábola do joio no campo. 37. Jesus respondeu: O que semeia a boa semente é o Filho do Homem. 38. O campo é o mundo. A boa semente são os filhos do Reino. O joio são os filhos do Maligno. 39. O inimigo, que o semeia, é o demônio. A colheita é o fim do mundo. Os ceifadores são os anjos.


Portanto, exclusão do diferente não é evangélico.

Portanto, querer arrancar o que temos é renegar-se; antes, devemos nos conhecer, nos respeitar e, assim, jogar-se nos braços do Pai dizendo-se, assumidamente, que errou e que reconhece que o melhor lugar pra se viver é junto do Pai, ainda que como empregado, pois rejeitá-Lo é provar das impurezas dadas somente aos animais. (cf. Lc 15,10-32)

Saibamos: tudo o que temos e somos não é nosso, é de Deus. Até nossa vida é uma concessão - temos o direito de uso, mas ela não nos pertence. É a Deus que pertencemos e para ele existimos (cf. 1 Cor 8,6).

Caríssimos, Deus constituiu sua Igreja para firmar o Corpo de Cristo:

3. Sede solícitos em conservar a unidade do Espírito no vínculo da paz.
4. Sede um só corpo e um só espírito, assim como fostes chamados pela vossa vocação a uma só esperança. 5. Há um só Senhor, uma só fé, um só batismo. 6. Há um só Deus e Pai de todos, que atua acima de todos, por todos e em todos. 7. Mas a cada um de nós foi dada a graça, segundo a medida do dom de Cristo, 8. pelo que diz: Quando subiu ao alto, levou muitos cativos, cumulou de dons os homens (Sl 67,19). 9. Ora, que quer dizer ele subiu, senão que antes havia descido a esta terra? 10. Aquele que desceu é também o que subiu acima de todos os céus, para encher todas as coisas. 11. A uns ele constituiu apóstolos; a outros, profetas; a outros, evangelistas, pastores, doutores, 12. para o aperfeiçoamento dos cristãos, para o desempenho da tarefa que visa à construção do corpo de Cristo, 13. até que todos tenhamos chegado à unidade da fé e do conhecimento do Filho de Deus, até atingirmos o estado de homem feito, a estatura da maturidade de Cristo. 14. Para que não continuemos crianças ao sabor das ondas, agitados por qualquer sopro de doutrina, ao capricho da malignidade dos homens e de seus artifícios enganadores. 15. Mas, pela prática sincera da caridade, cresçamos em todos os sentidos, naquele que é a cabeça, Cristo. 16. É por ele que todo o corpo - coordenado e unido por conexões que estão ao seu dispor, trabalhando cada um conforme a atividade que lhe é própria - efetua esse crescimento, visando a sua plena edificação na caridade. 17. Portanto, eis o que digo e conjuro no Senhor: não persistais em viver como os pagãos, que andam à mercê de suas idéias frívolas.18. Têm o entendimento obscurecido. Sua ignorância e o endurecimento de seu coração mantêm-nos afastados da vida de Deus. 19. Indolentes, entregaram-se à dissolução, à prática apaixonada de toda espécie de impureza. 20. Vós, porém, não foi para isto que vos tornastes discípulos de Cristo, 21. se é que o ouvistes e dele aprendestes, como convém à verdade em Jesus. 22. Renunciai à vida passada, despojai-vos do homem velho, corrompido pelas concupiscências enganadoras. 23. Renovai sem cessar o sentimento da vossa alma, 24. e revesti-vos do homem novo, criado à imagem de Deus, em verdadeira justiça e santidade. (Ef 4.)

Nossa ciência nos incha, mas só o Amor constrói. (cf. 1 Cor 8,1)


A nós, a Paz do Cordeiro.

POR QUE O JOVEM?

Qual categoria humana está em formação e decidindo ainda sobre sexualidade, afetividade e buscando se firmar?

Qual categoria humana tem ampla sede por saber e ser e ter?

Qual categoria humana tem deveres a cumprir sem sequer saber realmente o que são?

Qual categoria humana é tão cobrada por acertos de adulto enquanto, muitas vezes, nem o corpo ainda está maduro de verdade?

Qual categoria humana tem tanto jeito de criança e é louca para ser adulta?

Qual categoria humana carrega ainda uma "bomba de hormônio" em desenvolvimento capaz de alterar até mesmo o raciocínio sobre o óbvio?

O Jovem!

Por ser sempre possibilidade e movimento, ainda que não queira e perceba, o jovem é sempre protagonista do inusitado.

É capaz de superar limites só pelo bel-prazer, assim como negar-se ao objetivo só por se sentir obrigado.

E o que eu posso fazer?

Sirvo a esta categoria humana numa Pastoral, a Pastoral da Juventude, para que, diante das possibilidades, minimizar erros constrangedores e potencializar acertos e virtudes veladas nesses tantos jovens que acorrem à Igreja em seus grupos de base: alguns que curtem rock, outros axé; outros viciados, outros largados - à espera de um milagre; outros, a outras, simplesmente. Muitos jovens, muitas possibilidades.

Jovens que lotam o pátio de uma Igreja, sem ter o que fazer, desejando amizades e, por que não, sedentos de Deus.

Jovens. Jovens que acreditam piamente no invisível e que defendem com todas as forças aquilo (Aquele ou Aquela) sem sequer ter certeza do que falam... Jovens!

Eles são sempre possibilidade.

Chega de rótulos estagnantes para a juventude. Se podemos rotular, que seja de algo que represente movimento, possibilidade.

segunda-feira, 11 de outubro de 2010

O HOMEM PELO HOMEM

O avanço de nossas possibilidades de descanso e descontração (distração, como queira) têm sido cada vez mais estimuladas e ganho mais formas de concretização.

Televisão, computador, aparelhos de som, carro, moto, jogos em vídeo (para evitar o galicismo); enfim, tudo por uma boa distração, porque, afinal de contas, ensina a TV, todos temos que nos descontrair.

É um processo de alienação. Comemos, vestimos, ouvimos, e até gostamos e votamos em quem tem maior tempo de aparecimento. Leva-se a sério o ditado "quem não aparece, não cresce".

Vejamos algumas informações em prol do descanso, da distração:

- Não vou à Missa no domingo, porque é meu único dia de descanso.
- Ir para Igreja para quê, se posso rezar em casa.
- Tem muita gente que anda na Igreja e que é pior que eu. (sintam a modéstia e a humildade dessa alma. sic!)
- Eu sigo a Deus, não a Igreja. (que Deus? O tipo "energia" criadora? sic!)
- A Igreja não serve porque é feita pelos homens. (e por quem mais seria feita - enquanto organização? Seria a Igreja ideal aquela que Deus jogasse coisas lá de cima?)

O que vivemos hoje é justamente a centralização de tudo no homem pelo homem.

Concluo citando Lagrange:

"A Igreja é intolerante nos princípios porque crê; mas é tolerante na prática porque ama. Os inimigos da Igreja são tolerantes nos princípios porque não creem; mas são intolerantes na prática porque não amam." – R. M. Garrigou-Lagrange

domingo, 10 de outubro de 2010

PT QUER IMPLANTAR A CULTURA DE MORTE

(Death Culture, Kultur des Todes. Cultura de la muerte, Culture de la mort, 死の文化, ثقافة الموت )

Caríssimos,


Após um dia em prol do propósito qual firmei em trabalho na Igreja de Cristo, hoje, domingo, à tarde, estive com a Pastoral da Juventude Arquidiocesana, reunida na Igreja Matriz do Divino Espírito Santo - pensando estratégias para o Manifesto contra o Extermínio da Juventude, o Dia Nacional da Juventude (DNJ).

À noite, fazendo uma formação sobre afetividade e sexualidade com os jovens da Juventude Buscando Cristo (JBC)- Vergel.

Chegando em casa, vejo no Twitter uma indicação do Padre Paulo Ricardo: o vídeo de Dom Aldo Pagotto.

Neste vídeo, Dom Aldo desmente o ardiloso Partido dos Trabalhadores (o PT da Dilma e do Lula), que quer implantar uma Cultura de Morte no Brasil

Clique na foto (link) abaixo e assista a Dom Aldo de Cillo Pagotto. Ele mesmo pede que divulguemos.





Enquanto falamos de Paz, o PT quer matar.

O QUE SERÁ DE NÓS?

Que será de nós? Que será?

Eles vêm com suas palavras bonitas
Prometendo aquilo que gostaríamos de ouvir.
Falam docemente, cheios de botox e maquiagem...
Falsos. Falsos.

Uma mostra de falsidade per si
E nós, se não fossem maquiados,
Escolheríamos qual fosse.
Nós os construímos, nós os preterimos,
Nós assim fomos doutrinados a aceitá-los.

Sociedade de plástico no peito varonil
Cujos filhos deste solo como mãe abortista
Recebe de volta seus filhos ensanguentados
Por bala, por pedradas, pela nóia.

Qual a saída? Qual a mudança?
Eles?...
Aqueles que, como eu, são passíveis de luxúria, ganância
E tudo quanto do que é humano?

Não! Eu me nego bastar-me a mim.
Eu não sou capaz de ir além de meus desejos.
Por isso, eu creio, eu espero, eu confio, eu adoro
Àquele que pode, concretamente, fazer-me feliz.

Jesus, eu confio em Vós!!!!

sábado, 9 de outubro de 2010

Ainda, Ricardo Mota

Devo reconhecer a grande capacidade do jornalista Ricardo Mota, ainda mais quando o que eu postei em seu blog foi moderado e aceito, apesar de eu ter feito um comentário contrário a seu pensamento. Grandeza daquele jornalista. Fez-me pensar no que disse Voltaire:

"Posso não concordar com uma só palavra do que dizeis, mas defenderei até a morte vosso direito de dizê-lo."

(fico constrangido por não saber em que livro ou meio Voltaire escreveu esta frase, ou referente a quê. Mas, se alguém o souber, favor informar; fico grato.)

E do renomado jornalista guardo: “A incoerência é um sinal claro de quem despreza os princípios.”

Porquanto, tenho comigo que a incoerência de propósito ou seja, a falta da sinceridade de propósito não revela somente um péssimo cristão, mas também faz hipócrita qualquer homem ou mulher em qualquer instância em que atue. [já escrevi aqui em 17/08/2010]

Os fins não justificam os meios, até porque não há meios para os fins dos quais não partam de princípios.

+ + +
Eudes Inacio, sJpVM

sexta-feira, 8 de outubro de 2010

RICARDO MOTA e ABORTO

Comentário ao comentarista, jornalista, Ricardo Mota.

Após ter ouvido e lido sobre a polêmica da legalização do aborto, percebi que o referendado jornalista, qual admiro colóquios, te se empenhado a criticar ou ridicularizar a ação (ou o interesse) dos cristãos contra o aborto.

Por isso, postei no blog do jornalista:


Caro Ricardo, comumente empenho meu tempo para ouvir (ou ler) suas observações. Contudo, por questões ideológicas suas, creio, você tem se empenhado a criticar a mobilização de cristãos a respeito do aborto - nisso discordo de você. Claro que há hipocrisia, ridicularidades, neste tema, porque é comum em todos os outros, inclusive naqueles quais você se dedica a defender. Onde está o homem, está a possibilidade do ridículo, da hipocrisia e tudo mais do que é humano.
Eu creio, Ricardo, no invisível afeto de Deus em toda sua Criação e, por isso, dou-me a ressalva em respeitar aquilo que já foi revelado aos homens por meio da Fé.
Sou Cristão Católico e o Amor e a Vida são minhas causas ideológicas.

* * *

Não sei se minha postagem (acima) no portal do Tudo na Hora será aceito (após moderação). Espero que sim, ao menos desta vez, porque já tive dessabor de não ser ouvido naquela mídia.

Contudo, se eu não falasse, as pedras o fariam.

sábado, 2 de outubro de 2010

EM QUEM VOTAR.

Caros irmãos e irmãs em Cristo,

Diante das eleições deste próximo domingo, eu, estando na função de coordenador da Pastoral da Juventude da Arquidiocese de Maceió, esclareço:

1- Cristão não tem o direito de votar em quem é sabidamente contrário à vida, ou seja, quem defende aborto, eutanásia e utilização de células tronco embrionárias.

2- Por sermos uma Pastoral da Juventude, o cristão não deve votar nos que dizem que vão promover a segurança matando jovens, ou em quem faz apologia ao extermínio de viciados e "ladroezinhos".

3- Cristão Católico não deve votar em quem é declarado inimigo da Igreja.

+ + +

Ademais, leiam os conselhos de Dom Antonio Muniz, Arcebispo de Maceió, no artigo "Em quem devemos votar":

"(...)Volto a lembrar que a Igreja não apoia nenhum candidato. Se alguém disser que está sendo apoiado ou é representante dos católicos nestas eleições está mentindo. Porém, por dever evangélico, temos critérios como os apontados na Cartilha preparada pela Comissão política da Província Eclesiástica de Maceió que orienta EM QUEM DEVEMOS VOTAR:

1. A primeira coisa e a mais importante a ser observada é o passado do candidato. De onde ele vem? Já tem algum trabalho realizado? Se ele ocupou outros cargos, honrou os mandatos anteriores? Como se portou? Saiu com fama de honesto ou de corrupto? Cumpriu durante o mandato as promessas feitas durante a campanha?

2. Um outro critério: quem são os componentes do grupo político daquele candidato? Vale o provérbio: “dize-me com quem andas e dir-te-ei quem és...” Seus companheiros políticos são pessoas honradas? Recordemos que ninguém governa sozinho: meu grupo político fará parte do meu modo de exercer meu mandato!

3. Mais um critério: o modo que o candidato tem de fazer campanha. Está gastando demais? Está comprando votos, dando dinheiro, prometendo empregos? Usa o nome de Deus ou da igreja? Usa a fé do povo? Anda com a bíblia debaixo do braço? Tudo isso, além de profanar o nome de Deus, de sua igreja e de seus santos, é pura demagogia!

4. Quando ele promete, explica direitinho de onde vai tirar o dinheiro para cumprir as promessas. Porque se não explica, não vai cumprir nada: está prometendo o que não pode cumprir!

Vote consciente e que Deus nos abençoe a todos!"

(site: http://www.arquidiocesedemaceio.org.br/voz-da-igreja/dom-antonio-muniz/14/em-quem-devemos-votar )

quarta-feira, 29 de setembro de 2010

DILMA PERDERÁ A ELEIÇÃO.

Caros irmãos e irmãs,

O título acima é a expressão de um desejo (o meu, claro).

Não duvido que, se aprouver ao Senhor, a Dilma e todos que tramam contra a vida serão derrotados nessas eleições.

Fico indignado que num país de maioria cristã (católicos e evangélicos), alguém com ideias contrárias à vida e à Lei de Deus seja eleita justamente por cristãos.

Até quando vamos ficar votando em inimigos da Fé? Inimigos da vida.

Cristão não deve votar em candidato corrupto nem em abortista nem em sacrílegos.

Ponto!

Aconteça seja lá o que for, EU ACREDITO QUE DILMA SERÁ DERROTADA para saber com quem ela mexeu: com os cristãos!

sábado, 25 de setembro de 2010

INTELIGÊNCIA E EGOLATRIA

Deparei-me numa sala da universidade com uma conversa muito instigada por parte dos dois professores e um aluno que lá se encontrava.

Falavam sobre Deus, criação, civilizações, Jesus, crenças, religiões e a Igreja.

Ouvi sobre a inteligência dos sumérios; os maias e seu calendário...

Eu ouvia atentamente a fala de cada um deles. Nas falas saíram "afirmações" que Jesus foi pra Índia, que esteve na Cashmira; que Jesus foi marido de Maria Madalena e teve filhos e que Seu corpo está enterrado na Cashmira. Que a conduta de Jesus só se explica pelas ações dos vedas (hindus), pois não eram ações comuns de judeus...

Eu olhava cada um deles e me preparava ferozmente como um "romeiro-apologeta" para dizer a cada um, quando um dos professores falou de um conto(?) sobre o Buda e um discípulo chamado Putra(?) [confesso que sou leigo sobre budismo] ... que este tal Putra perguntou ao seu mestre Buda por que não ensinava sobre se valia a pena ou não acreditar, se existia uma outra margem e por que não o levava logo para lá e por que ele não falava das páginas difíceis da vida espiritual... Daí o Buda pegou um punhado de folhas no chão e perguntou se havia mais folhas na sua mão ou na floresta e o Putra respondeu o óbvio, daí o Buda falou que ele só ensinava o necessário para o homem, ou seja, aquilo em sua mão e que a floresta é perda de tempo.

O professor arrematou dizendo que essas preocupações são dos ocidentais, pois para os orientais é tudo muito simples...

Eu confesso que tive pena. E comecei a rezar dentro de mim dizendo ao Senhor como eles são doidos pra conhecer a Verdade, mas A ignoram com suas inteligências cartesianas... querem tanto entender o que creem que se concentram em si mesmos, no que sabem: um tipo de "egolatria".

Os três são muito inteligentes, mas ególatras. Só rezando por cada um deles!

Fiquei abismado com o que me suscitou o Espírito naquela conversa... Porque eu ía falar duro contra cada um deles e o Espírito me fez calar e ouvir, ouvir e depois, ter pena. Vi o outro lado deles: eles querem Deus, mas impõem condições de como Deus deve se mostrar a eles. Assim, vai demorar.

Falam da Igreja e dos dogmas, mas concordam que há temas que não devem ser questionados no budismo.

* * *
Nosso pensamento ocidental precisa ir ad fontes!, na Fé daqueles dos quais somos geração posterior: refiro-me aos Padres da Igreja.

+ + +
Eudes Inacio, sJpVM

CÂNCER DA CATEQUISTA

Irmãos e irmãs,

Paz e Bem!

Eis um conto:

- Está com câncer ela?
- É!
- Que adiantou passar a vida na Igreja?... Tudo dela era pra Igreja.
- Num é! E tanto que ela falava em Jesus...
- Se achava missionária ela. (ar de riso)
- E cadê que ficou boa... Pegou foi uma doença miserável dessa.
- E ainda tem mais, se ela vivesse o que ela estava dizendo, por que teve logo uma doença dessa...
- Olhe, sei não, mas essas pessoas que vive com Jesus pra lá, Jesus pra cá são tudo encapuzado.
- Olha, mulher, num é eu querendo falar não, mas pra mim isso é castigo... Deus que me livre de uma doença como essa!
- Oxe! Tudo aqui ela se metia: era catequista; já foi até sacristã outro dia quando dona Inês ficou doente... Em tudo na paróquia ela se metia...
- Só queria ser a santa...

(risos)

Enquanto essa conversa acima acontecia, a tal catequista cancerosa estava dando catequese a uns pré-adolescentes:

- Professora, é verdade que a senhora tá com câncer, é? (perguntou uma catequizanda)
- É! (respondeu a catequista cancerosa)
- Mas, por que a senhora pegou essa doença?
- Por causa de todos que conheço, inclusive por vocês.
- Oxe, professora, conversa! Que é que tem a ver a gente e as pessoas que a senhora conhece? Foi a gente que fez isso?
- Olhem todos vocês! Lembram da passagem bíblica em que Jesus foi preso e morto?
- Lembro! (em coro, respondeu a turma de catequese)
- Lembram que, essa passagem nós chamamos de Paixão de Nosso Senhor Jesus Cristo?
- Lembramos!!!!!
- Olhem só, meus amores, naquele dia, enquanto Jesus estava apanhando, os amigos dEle se esconderam e fugiram. Enquanto Jesus estava com as costas feridas por carregar a Cruz, as pessoas riam dele e alguns até cuspiam nEle. Quando martelaram pregos nas mãos dEle, zombavam dEle e ninguém ajudou Ele. Com Ele na Cruz, uns diziam tipo assim: né amigo de Deus, por que não se cura? Num era tão bonzinho, cadê que Deus veio ajudar Ele?... Cada um que tirasse sarro da cara de Jesus! E tinha ainda os que diziam: - bem feito!...
- Foi professora?
- Foi!
- Mas o que tem a ver com a doença da senhora?
- A Paixão de Cristo tem uma grande lição pra gente. (falou sorrindo). É que minha doença faz com que eu prove meu amor pelo Senhor todo dia, e só nEle eu me confie. E para vocês e aos que me conhecem devo ser exemplo e ir até o fim, sem reclamar, mas louvar a Deus pela oportunidade de me converter enquanto todos que me veem esperam um testemunho de Fé.
- Como assim, professora?
- Tudo, meu amor, que temos na vida é para nossa melhora... Eu to dodoi, mas nunca me senti só, sabia? Todos os dias sinto a presença do Senhor comigo...

* * *
Tiremos conclusões desse conto.

+ + +
Eudes Inacio, sJpVM
servo de Jesus pela Virgem Maria.